– Entre nesse Universo: As aventuras, desaventuras, e o Boletim Trilogia Tintim

Tintim, um dos mais famosos e importantes personagens de HQ do século passado, tem no seu portifólio, além de mais de 200 milhões de cópias vendidas, em 50 linguas diferentes, um Museu só dele na Bélgica. A excepcional obra de Hergé, pseudônimo de Georges Remi, além de conquistar cada dia mais tintinofilos espalhados por toda a Europa, aguçou ate a curiosidade de Steven Spielberg que com Peter Jackson que vai dirigir o primeiro filme da trilogia, com animação 3D. 

 Tintim, um jovem repórter católico, com gosto pela aventura, e luta pelo bem em todo o mundo, estreou no jornal belga Le Vingtième Siècle (O Século Vinte), em 12 de Janeiro de 1929 . Seguido para todo o lado pelo seu cãozinho branco Milu, faz uso de toda a sua inteligência para sobreviver às aventuras em que se mete. Com apenas 23 álbuns e um que restou inacabado, conquistou  fama mundial. 

Aventura: Tintim é enviado ao congo, a grande colônia Belga da época. Uma série de peripécias o levam ao reino de Babaorom, ele torna-se o feiticeiro renomado, confronta um bando de gangsters do Al Capone, que quer controlar a produção de diamantes. Lógico que ele consegue os deter e deixa o país pouco depois.   

 Analise – Em 1930, o Congo era um Eldorado para a Bélgica, oitenta vezes maior que o pais que o colonizava, tinha um subsolo extremamente rico. Nessa época, faltava mão de obra. Hergé devia fazer uma propaganda deste país.   

Desaventura – A historia inicialmente foi  publicada entre junho de 1930 a junho de 1031, no Le  Vingtiéme Siecle, depois como álbum preto e branco. No álbum de 1946, Hergé redesenhou quase toda a aventura, agora colorida. Reduz, e altera a ideologia colonialista, assim a lição de geografia e história , em que tintin falava “Vossa patria, a Bélgica”, foi substituída por uma lição de matemática. Hergé afirmou que qdo escreveu  Tintin no Congo e Tintim no país dos Sovietes, ele vivia num meio burguês,  cheio de preconceitos e estereótipos da visão pelos europeus daquela época. Conhecia apenas o que as pessoas contavam. Nesse álbum, os Congolês tem uma pronúncia errada, enquanto os elefantes conversam entre si corretamente. O ajudante de tintin,  negro, é visto como «estúpido e sem qualidades, faz crer que os negros são subdesenvolvidos».  Tintin também  faz um buraco nas costas de um rinoceronte, preenchendo-o com dinamite e explodindo-o (A associação dinamarquesa de defesa dos animais obrigou a retirada dessa parte). “Tintin no Congo” foi acusado, em julho de 2007, pela comissão Britanica para Igualdade de Raças, de conter propósitos racistas. Na frança, grupos anti-racismo incluíram um aviso, assim como as edições britânicas  – “certos estereótipos da época podem chocar os leitores de hoje”. Um estudante congolês  tenta proibir a venda desse álbum na Bélgica desde 2007.             -O alto conselho turco para o audio visual  multou em 50 mil libras a rede de televisao turca TV8  por causa de Haddock, companheiro de TINTIM aparecer num dos capitulos fumando charuto. A lei turca proibe o uso de tabaco em locais publicos e a imagem de fumantes , apesar de o pais ser o 10 maior produtor de tabaco mundial . 

“Os Charutos do Faraó” e “Tintin na América” também foram redesenhados antes de serem coloridos. Herge reconhece que elas refletem  o pensamento católico e burguês, se desculpa pelos pecados da juventude e  defendeu que a obra fosse lida “em seu contexto histórico”. 

O museu – Começou a ser idealizado há mais de 30 anos, está situado na pequena cidade de Louvain-La-Neuve, 30 km de Bruxelas. O arquiteto francês Christian de Portzamparc, foi inspirado na forma de um navio, meio de transporte que possui uma presença marcante nas HQs de Tintin: a estrutura com enormes janelas possui em seu interior quatro prédios multicoloridos interligados por passarelas e elevadores que abrigam as 8 salas-tema que compõem a exposição. Esse é o  único Museu  da Europa dedicado exclusivamente à obra de apenas um autor de HQ, Hergé! 

Espaço Tintin – Casa própria oficial em Lisboa,  com direito a café-Iounge e loja, onde habita, a galeria de inesquecíveis personagens que o acompanharam em tanta aventura: do espevitado cão Milou ao irascível capitão Haddock, do distraído professor Tournesol (ou Girassol) aos impagáveis Dupond e Dupont, da diva Castafiore ao mui luso comerciante Oliveira da Figueira.
O Espaço Tintin ofereceu a Avenida Roma um novo brilho, entre s
ofás e mesa de inspiração marroquina, litografias de pranchas originais de Herge, e , obviamente,  cervejas belgas. No underground, decoração alusiva  ao álbum, O Lótus Azul.  Expõe itens e “memorabilia” de todo o género, para fãs e colecionadores, incluindo a colecção de vestuário com a marca oficial,  e tudo que se possa imaginar de souvenirs, teatro de fantoches, exemplares do foguetão com que o herói foi à Lua, miniaturas de belos exemplares de carros antigos:  o carro de corrida d’ Os Charutos do Faraó, clássicos Ford, Jaguar ou Land Rovers, limusinas, táxis, etc.. 

Peça de teatro na Índia –  O diretor Akarsh Khurana  levará aos palcos um espetáculo baseado nos álbuns As Sete Bolas de Cristal e O Templo do Sol, com 40 personagens em cena com muita ação, comédia e aventura. 

Leilão –Banque Dessinée –  em Bruxelas, um conjunto de 10 litografias de Hergé foi arrematado por 31.200 euros (mais de 75 mil reais).          – Uma edição de 1930 de tintin no País dos Sovietes , exemplar preto e branco, foi vendida por 28.800 euros, em Bruxelas por Arnaud de Partz.   

Curiosidades – Entre os planetas Marte e Jupiter, há o planeta Hergé, nome dado pela  pela Sociedade Belga de Astronomia, ma comemoraçao do seu 65. Aniversário.  Hergé, no album O Templo do Sol, passado no Peru, imortalizou as lhamas como  criaturas silenciosas e sérias, que cospem quando se aborrecem, a vítima, no caso, o capitão Hadoock.    – Nos anos 80 Roman Polanski quis filmar O Ceptro de Otokar, por gostar muito do ambiente balcânico da história, mas o projecto não deu certo.

BOLETIM TRILOGIA TINTIN 

 “Le Monde” Spielberg se sente mais próximo de Milu, o célebre fox terrier, que do seu ainda mais célebre dono. Tudo humildade e espírito trabalhador: “Eu não tenho a tenacidade de Tintin. Como tenho uma família numerosa e um estúdio para gerir, não  consigo me concentrar numa só coisa”.Spielberg só conheceu Tintin em 1981, com  “Os Salteadores da Arca Perdida”. Entusiasmado com a descoberta, contactou Hergé para preparar um filme que, afinal, só se concretizará 30 anos depois.  Spielberg imaginava tintin como  “Indiana Jones para miúdos”. 

No início de 1983,  Spielberg manteve uma entrevista telefónica com Hergé e a sua mulher, Fanny. O encontro marcado para semanas depois em Bruxelas nunca chegou a acontecer, com a morte de Hergé a 3 de Março (75 anos). 

Com a tecnologia para concretizar o que idealizou enfim disponível, Spielberg voltou a comprar os direitos para a adaptação em 2002 – o filme recorrerá ao “motion capture”, a técnica utilizada em “Beowulf”, “O Expresso Polar” ou no recentemente estreado “Um Conto de Natal”. 

Peter Jackson e Spielberg

Peter Jackson e Spielberg

Associado a Peter Jackson, que co-produz e “dá” os efeitos especiais através da sua empresa, a Weta Digital, concretizou finalmente o seu projeto, e ja finalizou as filmagens das aventuras de Tintim, mas agora já sem referências a Indiana Jones. 

Dessa forma será possível “honrar a arte de Hergé, as suas tonalidades, as suas personagens”. O primeiro filme da trilogia,  adapta duas aventuras da BD: “O Segredo do Unicórnio” e “O Tesouro de Rackham o Vermelho”. Com Jamie Bell,  no papel de Tintin, o James Bond Daniel Craig a vestir a pele de Rackham o Vermelho, e Andy Serkis, o Gollum de “O Senhor dos Anéis”, a ganhar barba e talento no praguejar enquanto Capitão Haddock e  Simon Pegg e Nick Frost como Dupont e Dupond. 

Spielberg quer que os filmes, co-produzidos pela Paramount e pela Sony, sejam visualmente o mais possível semelhantes ao estilo gráfico de Hergé, dos personagens aos cenários. Seguem-se, em 2013, a segunda parte da aventura, O Segredo de Rackham, o Terrível, desta vez realizada por Peter Jackson, e talvez um terceiro filme, lá mais para diante, que poderá ser assinado a meias por Spielberg e Jackson 

Foi em 1984, pouco depois da morte de Hergé, um ano antes, que Spielberg comprou 

Peter Jackson e Spielberg com o chapéu do personagem

Peter Jackson e Spielberg com o chapéu do personagem

 os direitos para cinema dos álbuns de Tintim, com a ideia de entregar a realização do primeiro filme a François Truffaut (que morreria também, pouco meses depois) e dar os papéis de Tintim a Henry Thomas (!), o miúdo de E.T.-O Extraterrestre, e do capitão Haddock a Jack Nicholson. 

 A Moulinsart, que gere o património de Hergé, e a editora Casterman, que tem os direitos dos álbuns até 2011, esperam vender mais títulos nos EUA onde a BD franco- -belga nunca se impôs, e também seduzir uma nova geração de leitores. 

Ex-Concorrentes do Filme –   1)  James Bond a produção do 23º longa da Deaniel Craig - Rackmansérie 007 foi interrompida devido aos problemas financeiros da MGM, e a produção está parada, o que torna praticamente impossível a estréia do filme no final de 2011. Mas os fãs de Daniel Craig podem ficar tranqüilos, ele estará presente em ‘O Segredo do Licorne’, como o vilão Rackham, o Terrível.   2)Brave, animação dos estúdios Disney/Pixar – que também poderia ser uma pedra no caminho do repórter, foi adiada para 15 de junho de 2012. -Por enquanto Alvin e os Esquilos 3 (em 3D) e Marvin, O Marciano continuam na disputa…

Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: