– A rainha dos brinquedos, objeto feito à imagem e semelhança do ser humano, sempre ao lado do homem em todas as civilizações-a boneca.

Talvez a historia dessas auto-réplicas comece com a “criação” em si, quando Deus fez Adão de barro………

O fascínio pelas bonecas acompanha o homem há milênios e refletem a história da humanidade com sua arte, magia, beleza, fantasia e religiosidade, sendo usada por civilizações de quase todo o mundo como fetiches, talismã, oferendas cerimoniais, suvenires, e, por fim, brinquedos. Extremamente ligada a nossa historia social, cultural e econômica, as bonecas enfatizam os valores e as competências que foram consideradas necessárias para a futura esposa, mãe e atualmente, empresária, atleta, mulher realizada, bem vestida, poderosa, etc.., alimentando fantasias de crianças em milhares de lares no mundo.
Era uma vez,  há milhares de anos atras, um  ser humano que fez um objeto  à sua imagem e semelhança, e assim ……..

Há 40 mil anos – provavelmente as primeiras representações da forma humana em miniatura podem ter sido feitas pelo Homo sapiens, de barro, na África e na Ásia, com propósitos ritualísticos. Consideradas o primeiro brinquedo feito de argila.

réplica da Vênus de Willendorf
réplica da Vênus de Willendorf

 

25 mil-20 mil a.C – No Museu de História Natural de Viena, na Áustria, encontra-se  a Vênus de Willendorf, uma  estatueta de formas arredondadas similar a uma boneca, provavelmente usada como símbolo de fertilidade e não como brinquedo.

 

 

 

3000 a 2000 A.C. – Egito Antigo, Médio Império. As primeiras bonecas, algumas talhadas em madeira, ou de argila,

articulado egípcio sec. XII
articulado egípcio sec. XII

com longos cabelos feitos de fios de cabelo natural, e enterradas com os faraós. Chamadas de ushabtis , mediam de 10 e 23,  centímetros, e foram produzidas em larga escala pelos parentes dos escravos  para substituir-los e não serem enterrados vivos com seus reis. Seja como objeto funerário ou brinquedo, bonecas feitas a mão acompanharam crianças e adultos egipcios nos seus sepultamentos. Ou era para brincar com elas no além, ou para ajudar no trabalho. Nessa época as bonecas também eram feitas para brincar. Esse hábito de enterrar crianças junto com suas bonecas – provavelmente de conotação religiosa – também existia entre gregos, etruscos, romanos e astecas e perdurou na Era Cristã.  A foto ao lado  é um boneco articulado egipcio encontrado em túmulos do sec XII, um ajudante braçal para o além.

2000 A.C. As bonecas se afirmaram como brinquedo de criança no Egito, de diversos materiais, além de ouro e marfim, e algumas vinham acompanhadas de pequenas casas com minúsculas mobílias, datáveis do período situado entre 3000 e 2000 a.C.  Na localidade de Kahun foi encontrado aquilo que se julga ser um atelier de criação de bonecas.

 3000 a 2000 A.C. – Na Babilônia foram encontrados fragmentos de uma boneca de alabastro com braços articulados.

500 A.C. – Marionetes – Desde o primordios o teatro ja usava bonecos para representaçoes. Na Europa, há registros escritos jno século V A.C (no Symposium do historiador grego Xenofonte).  Na China, na Índia, em Java e em muitas outras partes do Oriente o teatro de bonecos tem uma tradição tão antiga que é impossível determinar quando começou. Pode-se afirmar que o teatro de títeres ou marionetes, surgiu antes do teatro escrito, ou melhor, surgiu antes da própria escrita.

Era Clássica – Na Grécia e em Roma antiga as meninas brincavam com bonecas feitas de madeira, marfim, terracota, couro ou de tecido e tinham articulações.

79 d.C. - Em Herculano, cidade romana destruída com Pompéia na erupção do Vesúvio, foi encontrado o corpo de uma menina abraçada a uma boneca, completamente preservada pela lava. 

kabuki

kabuki

 

45 d.C. - No japão as bonecas começaram a ser usadas no teatro Noh  para homenagear os atores e personagens de maior destaque. O mesmo ocorreu com o teatro Kabuki, quando as bonecas foram criadas com os mínimos detalhes de vestimenta e maquiagem.

 

Século III d.C. – Uma boneca de marfim foi encontrada no sarcófago de Maria, mulher de Honorius, um dos últimos imperadores de Roma. Parecendo uma boneca moderna, do tamanho da Barbie, toda articulada, com enxoval e jóias.

618-907 d.C.Origem da “porcelana” verdadeira na China durante a dinastia Tang. A primeira porcelana chinesa consistia de caulino (caulim) e pegmatitos, um tipo grosseiro de granito. Os europeus tentaram duplicar a porcelana chinesa, mas, incapaz de analisar sua composição química, poderiam imitar a sua aparência combinando barro e vidro moído. Estas alternativas se tornaram conhecido como pasta mole, vidro, porcelana ou artificial.  Somente em 1707 eles conseguiram fazer a porcelana em estilo europeu.

710 – 794 Periodo Nara – No Japão as bonecas sofreram a influência chinesa, e passaram a ter roupas de seda, usar dourado e tinham o penteado sokei, que se caracteriza pelo excesso de adereço.  794 – 1185 – Periodo Heian – as bonecas eram usados para afastar demonimos.  1192 – 1333 – NoPeríodo Kamakura,  o shogunato que prevalecia no país por causa das constantes guerras fez com que as mulheres substituíssem os pesados quimonos por trajes mais simples, e isso se refletiu também nas bonecas.

Idade Média As crianças não brincavam com esses pequenos totens, que se acreditava terem poder de vida e morte sobre as pessoas e eram monopólio de sacerdotes,xamãs,  feiticeiros e curandeiros, que acreditavam no poder sobrenatural de manipular a imagem humana, que ainda existe em certas religiões anímicas como o  vodu, na África, Europa ou Brasil onde a umbanda e o candomblé ainda preservam  pouco dessa antiga mística.  Para piorar a situação, a sociedade medieval resolveu condenar os pequenos bibelôs à mesma fogueira onde ardiam as bruxas. Carregadas do simbolismo da mitologia pagã greco-romana, elas praticamente desapareceram do mapa. No máximo, figuravam os presépios (incentivadas por São Francisco de Assis, no século XII).  Apesar de toda a repressão religiosa, o teatro de marionetes conseguiu sobreviver, mas isso porque passou a divertir o povo com parábolas sobre a vida de Cristo. As bonecas, no entanto, não eram mais os brinquedos infantis que foram na Grécia e em Roma, e sim, uma diversão de adultos.

Séc. IX - Registro de Patentes – Sob o reinado de Napoleão I,  cria-se o registro de patentes que trouxe impulso e transformações às manufaturas deste período. Serviu para prevenir uma anarquia das invenções idênticas e sobretudo para desenvolver inovações, estimulando a criatividade e a competitividade entre os protagonistas, fazendo surgir grandes fortunas.

Séc. XIV –  França Pandoras – Bonecas de madeira, feitas em tamanho natural, que no início eram enviadas às cortes com as últimas criações dos estilistas, mas logo se tornaram presentes, trocados com freqüência entre os nobres.

1413 - A primeira fábrica de bonecas surgiu na Alemanha. No século XV a Alemanha estruturou-se na criação de bonecas com objetivos comerciais.

Séc. XV –  Paris – Também começou a se firmar como centro de fabricação de bonecas. Reproduziam o aspecto das mulheres locais e eram fabricadas com  terracota,  madeira e o alabastro (tipo de gesso – calcite).

(1452-1519) – Leonardo da Vinci foi o primeiro a usar cera na criação de modelos anatômicos do corpo humano nos experimentos que imitaram os processos do corpo. A cera era usada na Itália para imagens em Igrejas.  Anna Manzolini Morandi, um artista Italiana de cera do século 18, foi a primeira a fazer órgãos e outras partes do corpo (hoje em Museus) para escolas medicas.

1546 a 1563 – O Concílio de Trento proíbe as representações com marionetes nas igrejas. Expulsas das igrejas porque ressaltavam a patetice das pessoas, florescem teatros ambulantes de marionetes em todo o mundo. Marionetes são bonecos (pessoa, animal ou objeto inanimado) movidos por meio de cordéis manipulados por pessoa oculta atrás de uma tela, em um palco em miniatura.

1558 - O Duque Albrecht, da Bavária, presenteou sua filha mais velha com uma casa de bonecas que tinha quatro andares e que levou dois anos para ser construída. A casa tinha banheiro, quarto de vestir e outros ambientes ricamente ornamentados. Infelizmente, foi destruída pelo fogo em 1674. Uma casa similar, do mesmo período, foi preservada e está no Museu Nuremberg, na Alemanha. Além dos inúmeros museus com casas de bonecas na Alemanha e pelo mundo, várias estão expostas no museu Rijksmuseum, Amsterdam.

1585 - O mais antigo registro de uma boneca norte americana foi retratada em Roanoake Island, com roupas coloridas, vestida num chapéu de plumas, ombreiras altas e um casaco deslumbrante.

karakuri dolls

karakuri dolls

 

1693 – 1868  – Período Edo,   no Japão, surgiram as karakuri, bonecas que tocavam instrumentos e dançavam através de um sistema simples de cordas retorcidas, roldanas e fios. Existem também os bonecos Gosho, que representam bebês masculinos roliços, pele muito clara, cabeça grande e que carregam um peixe.

 1686 – As Casas de Boneca, ganham popularidade nos séculos XVII e XVIII, e as mais famosas começam a ser fabricadas em Nuremberg, Augsburgo e Sonneberg, na Alemanha. No inicio não eram feitas para as crianças, mas como hobby para as donas de casa. Essas casas atingem altos preços, pois são caracterizadas por objetos em miniatura de porcelana da China e equipado com mobiliário de diferentes tipos de madeira, vidro, mármore, seda, veludo, e cobre.

 

 

1699 – Exibição de autômatos de cera, na Londres Bartholomew’s Fair. Autômatos de cera mexiam os olhos, tocavam tambor, e outros movimentos, o que levou o publico ao delírio.

bonecas de porcelana chinesa

bonecas de porcelana chinesa

  1700s – Bonecas de Porcelana Chinesa -Os primeiros fabricantes de bonecas de porcelana chinesa foram as companhias:    alemãs - KPM Berlin (Konigliche Porzellan Manufaktur-1763) e Meissen (1710),    DinamarquesaRoyal Copenhagen (1775),    Sueca – Rorstrand (1726). As bonecas estavam sempre marcadas dentro do ombro com a assinatura da empresa, se não tiver marca, não são dessas empresas. KPM são distinguidas por uma linha vermelha na borda da pálpebra. A Royal Copenhagen reeditou 3 modelos em 1978. Em 1840 virou moda as bonecas com cabeças de porcelana vitrificada que eram bonitas, mas muito brilhosas e rostos rechonchudos demais. Essa porcelana chinesa (glazed) lembra aqueles pinguins de geladeira. (não lembro porque não é da minha época….rs)

 

 

Séc. XVIMartinho Lutero, sem sucesso condenou veementemente a frivolidade das bonecas fabricadas em Nuremberg, na Alemanha. Os “objetos luxuriosos” não passavam de meras peças de madeira entalhada, com cabelo de crina de cavalo, vestidas como mulher da corte, apelidadas de Docke.

Séc. XVIIHolanda – Surgem as bonecas com olhos de vidro e perucas feitas de cabelo humano.

boneca de madeira 1700's

boneca de madeira 1700's

 

1750s  -  Surge na Inglaterra as primeiras bonecas de madeira, onde o corpo e a cabeça se  soltavam.

 

 

 

1780 – A rainha francesa Maria Antonieta adquiriu um automato tão extraordinário, que o compositor alemão Christoph Gluck foi chamado especialmente para escrever uma música para ele.

1796 – Antoine Favre (1767-1828), relojoeiro suíço inventa a caixinha de música. Rapidamente, os pequenos bonecos mecânicos que se moviam conforme a melodia se espalhou pela Europa. Mas poucos desses caríssimos objetos chegaram às mãos das crianças. Elas no máximo observavam o deleite dos adultos com os autômatos. Nesta época, a fabricação de caixas de músicas era feitas de um modo muito artesanal.

 

O Século XVIIISÉCULO DAS LUZES  –   Idade de ouro das Bonecas

1 – Com o avanço da medicina e novos hábitos de higiene, a Europa vive um período com uma alta taxa de nascimentos e um declínio na mortandade infantil. Com mais crianças, os brinquedos e as bonecas tornam-se parte de um mundo comercial, onde o trabalho, a invenção, a criatividade, inovação, e o suor são o meio de vida dos seus criadores.
Antes da industrialização Paris era conhecida como “Ville des Jouetes” (Cidade dos Brinquedos). As criações começaram dentro de casa nesse período pré-industrial.  Em Paris, os artistas se concentravam principalmente no bairro de Marais, e representavam o luxo e a alegria do país, e começaram a fazer fortuna, onde a iniciativa individual é ainda indispensável. A máquina ainda não estava pronta.

2 – Com a Revolução Industrial, em particular a França, a Inglaterra e a Alemanha – a ascensão social da classe média e o cultivo ao belo e ao luxo, solicita a habilidade e sensibilidade dos artesãos. As bonecas são produzidas também aos adultos, recriando figuras da corte ou da sociedade. Quase sempre em madeira, vestidas à moda da época. Na maioria dos casos os artesãos eram camponeses que aproveitavam os seus tempos livres durante os longos períodos de neve, para aumentar os seus rendimentos.

3 – As regras rígidas começaram a ser relaxadas e as bonecas voltam ao reino infantil. Educadores e filósofos orientavam pais a permitir que as meninas brincassem com elas e o crescimento da classe média abriu mercado para a produção em larga escala.

4 – Bonecas européias saíram da rústica idade da madeira para a delicadeza dos rostinhos de louça — um segredo roubado da China, e do biscuit — material que proporcionou as mais perfeitas imitações da pele humana.

5 – Um sonho perseguido pela indústria de bonecas foi a criação de seres inanimados que tinham vida – capaz de andar, falar e se movimentar sozinho.   Fabricados a partir do século XVII por relojoeiros alemães e suíços, apos a invenção do mecanismo da corda de relogio, destacando Vaucanson e Jaquet–Droz, com criações precursoras do mecanismo de bonecas. Os bonecos mecânicos movidos a corda, chamados autômatos, funcionavam como símbolo de status para as classes mais altas. Alguns eram tão caros e elaborados que o público pagava entrada para vê-los como num passe de abacadabra.  Os autômatos eram capazes de proezas como desenhar vários objetos ou escrever várias frases com uma caneta tinteiro, mexendo a cabeça e os olhos como qualquer pessoa faria, ou tocar flauta com os exatos movimentos do músico, ou soltando bolas de sabão, bonecos acrobatas em sincronia perfeita, ou até a vovó costurando.

6 – Em geral, invenções e evoluções raramente são o trabalho de um simples homem ou país. Como se tem visto na história de outros brinquedos, uma firma particular pode patentear uma idéia, ou uma nação em particular pode dominar o mercado, mas freqüentemente esses são os resultados de pesquisas levadas por várias gerações de artesões trabalhando em diferentes países.

Bisque,  bisquit ou biscuit – é um tipo de cerâmica, para lembrar mármore, que quando utilizado como base para a cabeça de uma boneca, é queimada como cerâmica não vitrificada a um mínimo de 1000C., antes de adicionar cores e verniz e em seguida, uma segunda queima para a finalização. O biscuit reproduz perfeitamente o satiné da pele, é a chamada boneca com tez, “teint”, dando a face uma maior naturalidade e vivacidade. A facilidade de conseguir matéria – prima fez da Alemanha a grande recordista na produção de biscuits.  Mas as bonequinhas francesas são hoje as mais valorizadas, pela beleza dos rostos e roupas. Um molde de rosto era usado no máximo cinqüenta vezes e depois jogado fora. Artesãos da indústria de bonecas de luxo sempre tentando reproduzir cada vez com mais fidelidade a figura da mulher.  

porcelana

porcelana

Porcelana – É uma cerâmica dura e translúcida feita de barro com base em caulim. Porcelana dura é queimada em temperaturas elevadas enquanto que a porcelana pasta mole requer menos calor. No século XVIII, a porcelana começou a melhorar através da combinação de argila com feldspato ao invés do barro com vidro moído previamente usado, conhecida como pasta mole, vidro , porcelana ou artificial. Em 1707 finalmente acrescentaram cinzas de ossos bovinos na argila, feldspato e quartzo,  fazendo a  porcelana estilo europeu.

A diferença entre os dois é que o biscuit, por causa de sua aparência natural, não é esmaltado quando queimado e a porcelana sim. Ambos são geralmente brancos com adição de cor em uma fase posterior do processo. Em matéria de refinamento técnico e apuro na fabricação de bonecas de porcelana, os franceses são insuperáveis e surpreendentes. A qualidade da porcelana depende não somente da qualidade da argila, mas também da forma como ela é trabalhada, e nisso eles são insuperáveis.
As bonecas de biscuit enfrentaram forte concorrência das de papier mâche e cera, que também tinham defeitos, como rachar e deformar. Seguiu-se a moda das bonecas de celulóide, que se mostraram altamente inflamáveis. Novos materiais passaram a ser testados, em busca de maior resistência que os biscuits e como contestação ao ideal de beleza inatingível representado pelo rosto de porcelana.   O plástico e a borracha só viriam a ser usados com intensidade depois da Segunda Guerra Mundial.

porcelana chinesa

porcelana chinesa

biscuit

biscuit

Boneca de cera - Victoria

Boneca de cera - Victoria

Bonecas de cera -Eram relativamente baratas, tornaram-se populares na Bretanha e estava tomando todo do continente. A cabeça era feita de cera, despejada em moldes feitos a partir de esculturas de papel machê pintado, e revestido com uma camada de cera, dando a boneca uma leveza e complexa transparência. Esse tipo de boneca durou pouco.  Esta boneca foi criada pela família Pierotti, Dominico Pierotti foi da Itália para Inlgaterra para uma visita, mas a viagem foi tão ruim que decidiu não voltar e se estabeleceu fazendo bonecas de cera.

boneca de cera

boneca de cera

metal

metal

 

1800’s – Bonecas de Metal - podem ser interamente de metal , prata, estanho e bronze, ou ter somente a cabeça de metal, começam a serem produzidas nos Estados Unidos e na Alemanha.

Bonecas de papel machê - Bonecas de Papel machê marcaram o inicio da potencia mundial da industria de fabricantes de bonecas alemã, (exceto o apogeu da Bebé fracesa) até a primeira guerra mundial. Elas foram produzidas em massa na Alemanha, França e Estados Unidos desde o inicio do século XIX ao inicio do século XX. Eram feitas a partir de uma mistura de pasta de papel com cola ou  resina , ou a partir de folhas de papel prensadas juntas. Eram uma alternativa mais barata aos bonecos de madeira, uma vez que os moldes podiam ser reusados .
 
Como segurar as peças articuladas de uma boneca de bisqui: Um elástico entre as ferragens dos olhos, das pernas e braços, e depois ainda passa um pouco de cola entre a cabeça e o corpo. Agora é so colocar roupa e peruca e ir brincar….ops, colocar de enfeite no quarto, pois se as crianças pudessem brincar com essas bonecas nessa época, não teria nenhuma viva hoje para contar a história.

 

1820 – Boneca Falante, inventada e patenteada por Johann Maelzel (que sucedeu Von Kemplen como proprietário do Turco). Eram operadas por manipulações de algum anexo acionado por fora, o mais comum era um tubo vinculado a uma bola de borracha oca, quando apertada, aciona o mecanismo.

1830 até 1930 – A evolução das bonecas européias seguiu uma ordem inversa à natural. Primeiro espelho da morfologia da mulher, foram fabricadas as madames, depois as meninas e, por fim, os bebês. Olhos e bocas também foram se aprimorando. Com o tempo, ganharam o movimento de abrir e fechar, além de cílios e dentes.

Heubach

Heubach

1834 – Heubach – A família comprou uma fabrica de porcelana em linche, na Thuringia, Alemanha, e logo começou a produção de estatuetas de porcelana em 1910.  Mais tarde começaram a fazer as cabeças com seus famosos olhos pintados. O segredo de seu sucesso foi a localização de sua fabrica próxima a uma escola de arte com muitos escultores. Alguns artistas famosos tem suas iniciais inclusas na marcas, como Holwein, Krieger, Niemeyer, Wera vonBartels, Zeiller & Zitzmann.
 
 

 

1840 - Concedida patente a primeira Fábrica de Bonecas americana, e passam a ser produzidas em série na América.

 

Ludwig Greiner

Ludwig Greiner

 

1840 a 1874 – Ludwig Greiner   maior fabricante de bonecas americano (nasceu na Alemanha), fez bonecas de papel machê na Filadélfia,  seus filhos continuaram até 1883. Em 1858 Greiner registrou  uma patente americana de fabricação de boneca de papel machê. 

 

 

 1840 a 1899 – ParisPierre Jumeau começou a empresa Jumeau  fazendo bonecos de papel machê.

Jumeau

Jumeau

 A família Jumeau reinou por duas gerações durante o auge dos fabricantes de bonecas francês. Conhecidas por sua perfeição e olhos expressivos, são a representação perfeita do seu tempo e lugar. Dez anos depois eles já estavam se especializando em bonecas de porcelana chinesa e biscuit. A partir de 1960 só faziam bonecas de biscuit. Madame Jumeau era a responsável pelos materiais e cortes dos famosos trajes e acessórios das bonecas. Emile Louis Jumeau, seu filho, assumiu a empresa em 1874, que ficou nas mãos da família até a fusão da SFBJ em 1899. Emile lançou a empresa a um reconhecimento internacional com marketing, artesões especializados, e com o lançamento da bébé (boneca bebe). 

identificação

identificação

Bebé Jumeau na época, era sinônimo de boneca. Jumeau transformou o nome da família numa das palavras mais pronunciadas pelas crianças de todo o mundo, As Bonecas Jumeau são as mais cobiçadas em todo o mundo chegando a valer muitos milhares de dólares.  A maioria das bonecas Jumeau são apenas marcadas com um número, embora às vezes o corpo está “carimbado”. Muitas vezes, além da marca, um carimbo com a menção “Jumeau Médaille d’Or Paris ou algo similar. Jumeau foi inovando com vários estilos, mas sempre a produção era sobreposta, um modelo não terminava imediatamente, e o novo modelo era introduzido de forma gradual, para esgotar os estoques antigos e ir testando a aceitação do publico, portanto as bonecas Jumeau são facilmente identificadas por períodos. Apesar de não saber quem fez a primeira boneca Bebe, Jumeau, Schmitt & Fils e Jules Nicholas Steiner devem ser considerados os pioneiros.

http://www.youtube.com/watch?v=v3zdr2-7rP0
 

Jacob Petit

Jacob Petit

1843 - Registro da patente de Jacob Petit  (JP) - Para cabeças de porcelana dura, material até então não utilizado na França para esta finalidade. A partir daí as cabeças de boneca em porcelana evoluíram e transformaram-se em moeda corrente. Este material usado por Jacob Petit é uma pasta brilhante e dura que antecede o famoso biscuit. Petit foi autor dos mais belos enxovais para bonecas de porcelana e biscuit que se tem conhecimento. As cabeças de bonecas com porcelana chinesa eram ligadas a um corpo de boneca Frances. Sua marca ficava no bordo inferior da chapa do ombro.
 
 

 

 1844 - François Guillard fabricava bonecas de luxo, com movimentos perfeitos, tinha uma boutique de brinquedos e bonecas de luxo, A La Galerie Vivienne, que era considerada a melhor em Paris. Um dos fabricantes que ele representava era Alexandre N Theroude.  Seus produtos, escolhidos entre os fabricantes de renome, foram selecionados para a exposição na Feira Industrial de Paris em 1844 e da Exposição Universal de Paris em 1849.

1847 -Eugene  Barrois (E.B.)Um dos primeiros fabricantes de bonecas Frances a usar cabeças de porcelana, mas no inicio comprava de outros fabricantes. Eugene Constant Barrois herdou a empresa de seu pai, mas era menor e não administrou até 1852.  Usou inovações como olhos de vidro e boca aberta. Seu principal concorrente era Claude-Joseph Blampoix. Barrois era o principal fornecedor de cabeças de porcelana para Jumeau até 1872, quando Jumeau construiu sua própria fabrica de porcelana.

 

 
1854 – Schmidt & fills – Paris. Faziam brinquedos desde 1854, em Paris. Em 1878, eles apresentaram bonecas bébés na Exposição Internacional. Tinham seu próprio forno de porcelana, e registraram algumas patentes envolvendo a fabricação de cabeças porcelana, e uma patente em 1879 para uma boneca articulada toda de biscuit. Desenvolveram uma composição que facilitou as bonecas ficarem na posição sentada.

Schmitt & fills

Schmitt & fills

Schmitt & fills

Schmitt & fills

 

Lambert

Lambert

1854 – Leopold Lambert , França. Trabalhou algum tempo em sociedade com  Vichy, antes de montar sua empresa em 1886, onde a sua competência e a qualidade do seu trabalho lhe rendeu o cargo de capataz. Em 1876 casou-se com uma costureria parisiense, que vestia os autômatos criados pelo marido, Em 1886, Lambert formou sua própria companhia, e fazia, ou peças únicas, especiais e luxuosas ou outras produzidas em série, essas, geralmente as bonecas de cabeça de porcelana, em geral, equipado com três ou quatro movimentos: elas viram a cabeça e cumprimentam, levantam e abaixam os braços, e diferem umas das outras, principalmente por seus trajes e acessórios. Foi um exímio produtor de autômatos mecânicos, os quais sobreviveram a ele.  Lambert foi recompensado com diplomas de honra em Liege, em 1904, e em Milão em 1905. À partir de 1910 a sociedade começou entrar em declínio.

1855 a 1889 – As Exposições Universais em Paris fizeram com que os fabricantes procurassem inovar e caprichar cada vez mais em suas criações, onde as disputas pelo mercado ficaram cada vez mais acirradas e fizeram surgir as mais belas e famosas bonecas de todos os tempos.

1855 – Na Exposição Universal concorreram à primeira boneca com rosto em biscuit, Jumeau recebeu medalha de prata. 

1855 – Nasce o bebê de pano e cabeça de porcelana, de Saxe. Mas alguns atribuem a invenção desse tipo de boneca à italiana Augusta Montanari, que se radicou na Inglaterra e lançou em Londres, as primeiras bonecas com cabeça de cera.

Huret

Huret

 

1855 -Boneca articulada de Mlle. Calixte Huret, ganhadora do prêmio de honra na exposição. Esta foi a primeira boneca a ter membros articulados, apesar de usar ainda a porcelana da china na cabeça e de ter o corpo moldado em couro.

 

 

 

Rohmer

Rohmer

1858 – 1880 – Madame Leontine Rohmer –Paris – Ela patenteou diversas melhorias para os corpos das bonecas, porém a mais significativa foi a patente de articulação nos pescoços. A cabeça gira em um eixo de haste metálica que pode ser visto no topo da cabeça. As bonecas eram entre um adulto e uma criança, portanto as roupas poderiam ser de criança ou adulta. O marido e o cunhado de Rohmer eram os mecânicos que ajudavam nas articulações das bonecas. Algumas bonecas eram vestidas pela mãe de Leontine.
 
 
 

 

1858Jules Nicolas Steiner, relojoeiro, em 1858 se casou com uma costureira e estabeleceu seu negocio

Jules Nicolas Steiner

Jules Nicolas Steiner

 de brinquedos mecânicos. Ele era fascinado para desenvolver bonecas articuladas, à partir de 1860 introduziu e patenteou alguns dos mecanismos no interior dos corpos que permitiam que as bonecas movimentassem cabeças, braços, pernas, e ainda dissessem “papai,  mamãe” – as suas bonecas pareciam que tinha alma.  Em 1875 ampliou sua oficina, com fornos de porcelana. Os corpos de bonecas eram inicialmente esculpidos em madeira, e depois passou a usar composição moldada. Ele tambem fazia bonecas de cera sobre o biscuit com mecanismos de som e alguns com mecanismos de foles em seu abdômen que acionavam o quando se comprimia seu abdômen.  Steiner arrendou sua empresa em 1880 à J. Bourgoin, que continuou a funcionar sob o nome de Steiner, e eventualmente prestava assessoria à empresa até sua morte em 1902.

Gesland

Gesland

1860 a 1928 – E. Gesland. (E.G) - Restaurador de cabeças de biscuit que transforma-se em um dos mais sofisticados fabricantes de bonecas. Gesland produziu, exportou, distribuiu e concertou bonecas de biscuit. Usando uma publicidade no seu escritório em Paris de que poderia consertar em 10 minutos, qualquer tipo de boneca de qualquer fabricante, e também poderia substituir cabeças quebradas.  Gesland comprava cabeças de bonecas de  F. Gaultier, Verlingue, Rabery & Delphieu, e outros. Gesland fabricava bonecas com articulações que poderiam ficar em varias posições, com mãos e pés de biscuit ou madeira pintada, elas mediam de 10 a 31 polegadas. As mais famosas – Poupée de Mode, Gesland Body; a Bébé; e lindas cabeças de bonecas de vários tamanhos.

Antes de 1860, nos Estados Unidos bonecas entalhadas à mão, de milho e bonecas de pano eram comuns. Até o final do século 19, grande numero de bonecas foram importadas da Alemanha, e muitas cabeças de bonecas de qualidade, na qual fabricantes americanos faziam o corpo – que eram patenteados. As luxuosas eram importadas de Paris. A produção nacional era barata e impressionantemente complexa. Às vezes envolvida com carrinhos de bebes mecânicos, maquina de costuras, ou berços balançando para categorizar como boneca adequada aos olhos de puristas que freqüentemente parecem pensar que qualquer atividade como um tranqüilo passeio não era apropriado para uma senhora.
Apesar da superioridade das bonecas francesas, o que distinguiam elas de todas as outras era que enquanto as bonecas americanas refletiam a vida em atividades familiares, campo ou trabalho, as bonecas francesas habitavam um mundo luxuoso, alegre e sossegado. Não era surpresa os americanos puritanos fazerem trabalho duro que era usado para fazer acreditar que a Europa era pecador e decadente, mesmo as bonecas que não falavam naquela época atestavam o fato.

1860’s – Pouco a pouco biscuit se faz cada vez mais presente, seja nas boneca ou nos autômatos. Os corpos dessas bonecas eram originalmente feitos madeira ou arame, coberto de pelica, couro ou pano, ou recheada com serragem. Devido ao peso e a fragilidade dessa boneca, comprometia o uso de biscuit nos membros. As assinaturas nas cabeças se sucedem e a criatividade também não tem limites……

1860’s e 1880’s - A Prússia se supera na fabricação de bonecas, quando colocaram no mercado esplendidas bonecas feitas com caríssimos vestidos lindos e extremamente luxuosos,  na qual os alemães não poderiam se igualar ao rival, exceto por imitação direta.

autoperipatetikos

autoperipatetikos

 

1862 Patenteada uma boneca que caminhava, por Enoch Rice Morrison de New York City a autoperipatetikos (que anda sozinho em grego). A boneca tinha um vestido longo para cobrir o mecanismo e as rodas na qual ela corria. Criada pela firma americana  Martin and Runyon Morrison. Ela podia andar nos seus próprios pés, e foi exportada dos EUA para as nações fabricantes de brinquedos da Europa. A patente foi também assegurado por Morrison na Europa. Mas também durante 1862 A.V. Newton pegou uma patente muito semelhantes na Europa.
 
 

Jullien
Jullien

 

1863 a 1904 – Jullien – Fazia bonecas de madeira oca, o que as deixava mais leves, um dos detalhes eram os dedos separados, mas não são tão bonitas.  O nome de Jullien era marcado no pescoço com o numero do tamanho.  Mais tarde acrescentou mecanismos de falar, andar e dormir.  

Henri Delcroix-pan

Henri Delcroix-pan

 1865 a 1887 – Henri Delcroix – Existem muitas marcas

Henri Delcroix

Henri Delcroix

 atribuídas a Delcroix: GD Paris, Paris HD e Paris PAN, registrou a marca PAN em 1887, essas bonecas são identificadas pelos seus olhos grandes e redondos.

 

 

 

  

 

Roullet & Decamps Roullet & Decamps      
  1866 –  Roullet & Decamps - Jean Roullet, um dos mais versáteis e criativos de todos os fabricantes de autômato de Paris, começou com brinquedos mecânicos, autômatos musicais e nos primeiros anos do século XX , autômatos elétricos  para vitrines. Ele faz engrenagens mecânicas muito  baratas para funcionamento em brinquedos, tornando possível serem vendidos a preços mais modestos. Uma boneca jardineira, com cabeça de biscuit,  empurrando um carrinho de mão foi o primeiro brinquedo e se tornou logomarca da empresa. Em 1879 Henriette,  a filha de Roullet se casa com Ernest Henry Decamps, o contramestre das oficinas Roullet. Em 1889 Decamps se tornou seu sócio – “Roullet e Decamps”. A empresa tinha 50 funcionários entre mecânicos, escultores e costureiras. Logo o filho de Decamps, Gaston, entrou pra escola de artes e se tornou mais um talento na empresa. Roullet morreu em 1907 , Decamps em 1909, e Henriette e seus três filhos continuaram com a empresa ”Veuve Decamps e Fils”. Depois que seu irmão morreu na I Guerra Mundial sua Irmã e mãe se afastaram da empresa, e Gaston continuou fazendo sucesso ate sua morte em 1972, quando sua filha e genro assumiram a empresa, mas sem condições de enfrentar a concorrência com a Ásia em brinquedos mecânicos. A história Roullet-Decamps tem sido amplamente documentada em diversos livros, desde que ainda era vivo.
Quando a empresa fechou as portas em 1995, o ofício de fabricante de autômatos foi reconhecido como um bem cultural digno de preservação. O governo francês estabeleceu o Musee d l’Automate em Souillac,  um popular destino turístico na França, onde autômatos ainda vivos, e em cena,  junto com suas ferramentas, máquinas, moldes, projetos, peças e materiais que foram utilizados nas oficinas eternizam seus grandes mestres. Sem esquecer também o Art and History Museum de Neuchatel, na Suiça, que dá a vida aos autômatos de Jacquet Droz todo primeiro domingo de cada mês. http://www.souillac.net/musee.automate.

1867 – Bru Jne & Cie - Produção da boneca de luxo extremo em Paris, um luxo jamais sonhado por qualquer menina da época, bonecas mais do que especiais, dirigida às camadas mais abastadas da sociedade. Leon Casimir Bru e sua esposa Appolyne em St. Denis Street, montaram a empresa em Paris depois de Bru, filho de um tecelão, ter trabalhado um período curto como montador de bonecas em outra empresa. Madame Appolyne Bru , projetava e costurava os lindos figurinos para as bonecas, e as cabeças de bonecas inicialmente eram compradas de Barrois Eugene Constant. Leon Casimir Bru foi o maior concorrente de Jumeau, a fabrica de Bru mostrou a mais forte predileção para inovação de mecanismos, colocando no mercado uma grande quantidade de “Bébés” que poderiam ser realmente cuidados por suas mães crianças. Bonecas que choravam, que bebiam, que podiam ser alimentadas com doces (eles retornavam por uma abertura nos pés), e em 1892, criou um bebe que parecia que respirava tão bem quanto falava. Bru, assim como muitos outros fabricantes, produziu bonecas de duas faces que virava a cabeça para mostrar ela rindo ou a face

Enfermeira Bru

Enfermeira Bru

chorosa, ou dormindo e acordada, de acordo com o capricho do dono. Ele fazia bonecas maravilhosas, com mecanismos eficientes e complicados. Para andar puxavam uma perna em frente da outra, o balanço da boneca é assegurado pelo fato de ela estar usando calçados de metal pesado, (as bonecas eram como se fossem nenéns aprendendo a andar, que necessitavam de ajuda) como outros brinquedos colocados atrás do carrinho de mão na qual ela empurra pra frente. Não é de estranhar que nos dias de hoje uma boneca da marca Bru Et Cie tem preços altíssimos, pois naquela época elas já custavam muito caro.   A partir de um molde mestre Jne Bru eram criados centenas de rostos diferentes.  As diferenças eram feitas cortando os olhos maiores ou menores, pela remoção dos dentes ou a linha da língua, diferenças sutis na pintura da maquiagem, que eram realmente uma arte, na forma das sobrancelhas, na forma dos lábios, e na cor dos olhos. A boneca mais famosa de Bru é a enfermeira, que manteve a venda depois que a SFBJ assumiu.   As bonecas tinham o nome de Bru mesmo depois que estava nas mãos de outras pessoas, em 1883 foi

Bru

Bru

vendida para Henry Chevrot, e em 1890 para Paulo Giraud.  As bonecas tinham as marcações – Jne B. et Cie, BJ ou RB (Barrios). Em 1899 a produção passou para a SFBJ.

Simon & Halbig

Simon & Halbig

1869 – Simon & Halbig (S & H), fundada em 1839, a empresa fabricou bonecas de 1869 a 1920  nas suas duas fabricas de porcelana, em Frafenhain e Hidburghausen, próximo a Thuringia, Alemanha. Em 1920 a empresa foi comprada pela Kammer & Reinhardt, que continuou a produção de bonecas até 1932.  Simon & Halbig eram conhecidos por suas elegantes cabeças de bonecas e por inovações na indústria. Forneciam as cabeças para muitos fabricantes conhecidos de bonecas, que anexavam os seus próprios corpos posteriormente. Dentre as empresas que usavam as cabeças S&H – a norte Americana  Arranbee, as alemãs : CM Bergman, Carl Berger, Cuno e Otto Dressel, Hamburger & Company, Heinrich Handwerck, Adolf Hülss (ou Adolf HülB), Dr. Paul Hunaeus, Kammer & Reinhardt, Louis Linder & Sohne, Franz Schmidt, Schoenau & Hoffmeister, Carl Trautmann, Welsch & Co., Schindel & Kallenberg Wiesenthal, Adolf Wislizenus e as empresas francesas: Fleischmann & Bloedel, Jumeau, Roullet & DeCamp e SFBJ.

bonecas de celuloide

bonecas de celuloide

1869 - Tornou-se possível o fabrico de bonecas em grande escala, graças ao surgimento do celulóide  (celuloides são os primeiros materiais termoplasticos. Em 1862, o inglês Alexander Parkes registrou a Parkesina, primeiro celuloide e primeiro plástico fabricado. Moldado com facilidade, o celulóide foi produzido originalmente como substituição para o marfim).Em seguida surgiram outros materiais como o PVC e o plástico. Diversos são os materiais usados atualmente para a confecção das bonecas, tais como: madeira, palha, tecido, porcelana, papel, pelucia, metal, vinil, papel machê, cera e gesso,  dentre outros.

1872 – Madame Bru, que tinha sucedido seu marido comandando a empresa, lançou a patente de Boneca cantora.
 
 

Francoise Gaultier

Francoise Gaultier

 

1872 – François Gaultier et Fils (F.G.) tirou uma patente para melhoria dos moldes para as cabeças de bonecas. Inicialmente grande ceramista, até tornar-se, após 1860, um dos grandes fornecedores de cabeças e membros de biscuit para outros fabricantes e posteriormente abrir sua própria manufatura. Em 1884 se juntou com seu filho e em 1888 passou a chamar Gaultier Brothers, depois passou a ser parte da SFBJ Company. Foi um dos principais fornecedores de cabeças para Jumeau , bem como outros fabricantes e montadores de bonecas franceses.

  

1871 – Jean Marie Phalibois - montou  sua loja e se dedicou à produção de cenas mecânicas com musica. Participou da Exposição de Paris de 1878. Em 1893, Phalibois se aposentou e passou o controle da empresa para seu filho Hnery. Em 1925, a empresa da família chegou ao fim. Seu estoque foi vendido a Roullet e Decamps.

1871 – Bebe que engatinha ou arrasta “ceeping baby”, inventado por Robert J. Clay. Este bebe, com gorro e vestido de moda contemporânea, movia alternadamente mãos e pés, assim como engatinhando através do chão, ocasionalmente resvalando para um lado assim como se para checar a presença de audiência de admiradores. Foi realizado por várias firmas americanas incluindo Ives.

1876 –  Boneca nadadora,  desenvolvida por um desenhista chamado E. Martin. Dois anos depois ela era manufaturada e distribuída , como “Ondine”, por Charles Bertran de Paris. Dentro do corpo de cortiça, ondine carregava um mecanismo acionado por corda de relógio protegido que trabalhava seus membro numa conveniente batida da respiração, que à propelia através da água.

Thomas Edison

Thomas Edison

1878 – Patente da boneca com fonógrafo, USA, Thomas Edison, mas só comercializada em 1889 recitando “mamãe gansa” na Feira de Paris em 1890.  Thomas Edison melhorou a boneca inventada por Johann Maelzel, e combina a tecnologia de seu phonógrafo com a boneca, permitindo-lhe a palavra- bonecas fonográficas. O fonógrafo era ligado por um pequeno botão de corda anexado na cintura da boneca. O corpo, feito de aço, manufaturado nos Estados Unidos, mas a cabeça de biscuit alemã, feito pela firma de Simon & Halbig.   A Scientific American de abril de 1890 descreveu como eram feitas as gravações nas bonecas de Edson:As gravações (wax-like) eram colocadas sob

Thomas Edison

Thomas Edison

um instrumento muito parecido com um fonógrafo na boca das meninas que falavam as palavras que serão repetidas pelas bonecas….. A fabrica de Edison era capaz de fabricar 500 fonógrafos de bonecas por dia, e vendidas a 20 dólares cada. Assim como muitas outras invenções pioneiras, os do Edison eram muito caros para ser comercialmente satisfatório, e outros colheram os frutos que ele tinha plantado. Á despeito de sua patente, Edison foi defrontado com competidores no seu próprio país assim como também na Europa (Arnold, Lambert,  Jumeau e etc). que criaram bonecas que cantavam, exclamavam e oravam.

Lioret

Lioret

1878 – Lioret  de Jumeau foi premiada com medalha de brinae na Exposiçao de Paris , o que causou um reboliço nos círculos técnocos de toda a Europa, pois enquanto Edson demonstrava sua boneca de cera com gravador, Lioret foi feita com celulóide durável.
1879- Para a exposição, o fabricante Jumeau procura um escultor de renome, Albert-Ernest Carrier-Belleuse, para realizar a primeira cabeça moldada de criança em bisquit, inspirada em um quadro celebre intitulado Henri IV Enfant, que usou o rei Henrique de Navarra com 4 anos de idade como modelo. Foi a primeira vez que usaram olhos de vidros. Dizem que  Buffalo Bill deu uma boneca dessa a sua sobrinha. Por conta da boneca inspirada no tal quadro, Emille Jumeau ganhou medalha de ouro. Daí por diante, esta menção será usada por ele como selo azul, com os dizeres Jumeau Medaille D’or em todas as suas peças, incluindo-se ai o vestiário, além dos corpo e cabeças. Este selo tornou-se célebre, e é hoje comemorado com entusiasmo pelos aficionados quando encontrado em alguma peça do fabricante.
 

Thuillier

Thuillier

 

1880 – Andre Jean Thuillier, (ATs) de Paris, produzia bonecas de excelente qualidade com cabeças de biscuit ou porcelana muito bem pintadas, com corpo de composição ou  madeira. Algumas cabeças ele comprava de Francois Gaultier. Thuiller produzia  bonecas pelo método mais antigo de porcelana pressionando no molde. Alguns rostos ATs têm mais detalhe na modelagem do que outros, porque os moldes desgastaram. Eles parecem ter sido originalmente inspirado pelo mesmo artista.
1881 –Fritz Bartenstein, alemão, registrou uma patente para uma boneca de cera de duas faces– numa delas sorri e a outra grita de aflição (ela tem uma caixa de voz). Essa boneca aterrorizava as crianças. Possivelmente é dele também  uma boneca de papel maché com face de criança, e duas mascaras de cera que podiam ser atadas a boneca, uma com face de uma velha e outra de um neném. Bru também fez bonecas de cera de duas faces.
 

Kammer & Reinhardt

Kammer & Reinhardt

1886-1932 – Kammer & Reinhardt, (K & R) Thuringia, Alemanha – Ernst Kammer & Franz Reinhardt faziam bonecas de biscuit, mas como não tinham sua própria fabrica de porcelana,  a maioria das cabeças eram manufaturadas por  Simon & Halbig , por isso tem ambas as marcas no pescoço das bonecas. Também compravam da empresa  Kling, Quendt & Schuetzmeister. Em 1902 compraram a empresa de bonecas Heinrich Handwerck quando seu fundador morreu, e em 1920 compraram a Simon & Halbig.

 

 

De 1886 a 1990 a maioria das cabeças de bonecas de biscuit eram feitas com a boca aberta, com dentes, e corpo articulado de madeira, cabelo de mohair, medindo entre 5 a 10 cm. Depois de 1990 fizeram vários tipos de bonecas, de biscuit, composição, e roupas de bonecas em varias profissões, portanto são mais conhecidos por suas bonecas bebes.

1880’s - As fabricas alemãs tornaram líderes outra vez, dominando o mercado mundial até 1914. Firmas como a Simon & Halbig, Handwerck, a Heubach Brothers e Armand Marseille assumiram o controle da “bébé”, da França, produzindo por preços menores, embora eles cuidassem para ter suas bonecas vestidas em Paris. Várias uniões foram feitas de 1899 em diante. Os fabricantes alemães criaram novidades: a boneca que bebia, e pálpebras que abriam e fechavam com peso de chumbo, que antes se moviam por um método primitivo de puxar um fio anexado ao corpo.
 

1880 – Jumeau – França – O mais famoso fabricante de bonecas de luxo ou “poupée de luxe”,é considerado como o idealizador do novo tipo de corpo de boneca, ele foi o primeiro a fazer a articulação esférica unidas juntas por um forte elástico; isso rapidamente tornou-se o mais simples e eficiente método para dar movimento às bonecas, articulando membros corretamente.



1880 – Após a Guerra Franco-Prussiana de 1870-71, Jumeau, ainda ressentido,  incluiu um folheto para as crianças que adquiriam suas bonecas, que era uma mensagem contra as bonecas alemãs – “Esses bebes alemães são feios e ridículos, com caras estúpidas de papelão encerado, olhos arregalados, com seus corpos frágeis recheado com fios….. Se não fosse essa guerra, e a destruição da França,  talvez as bonecas francesas teriam um posto de muito mais glamour no mundo.

phonograph jumeau bebe 1892

phonograph jumeau bebe 1892

1892 – Bébé Phonographe de Jumeau Boneca que cantava e falava, que tinha um vocabulário de 75 palavras, dependendo do cilindro fonográfico escondido dentro do corpo, poderia falar em Francês, Inglês e Espanhol. O mecanismo foi patenteado por Henry Lioret para Jumeau. Como a maioria dos fatos que marcaram época, esta foi ultrapassada: uma boneca italiana chamada Lilly falava 9 línguas.

1897 – Boneca que beijava – França – fabricada pela Steiner Company. Quando puxava a corda, poderia dizer mama ou papa, e então movia os labios para beijar quem estivesse segurando ela, e, quando a colocava na cama, a boneca poderia ser induzida a lamentar, presumidamente em protesto, como uma criança.

 

1894 – A aliança franco-russa formalizada seus estreitos laços, o popular Czar Nicolau II e Czarine Alix, com seus cinco filhos, quase fez de Paris a sua segunda casa. Um autômato foi criado por Jumeau e Lambert para comemorar a lealdade. Uma boneca biscuit, olhos de vidro azul, peruca loira em mohair, roupas de cores vibrantes do folclore russo, muitas jóias, segura uma bandeira de seda francesa, com letras de ouro “Vive La Russie, Vive La France”, ela possui um Phonographe Lioret Jumeau com a peça musical “La Czarine Nazartia”, – apelido carinhoso para uma de suas filhas. A boneca faz movimentos com a cabeça, manda beijos com a mão direita e tremula a bandeira que esta na sua mão esquerda, ao som de melodias russas.

1899 – Société Française de Fabrication de Bébés et Jouets’. S.F.B.J.:
Ameaçados por produção mais barata alemã de bonecas de cabeça de biscuit, (como a produção chinesa de hoje), as empresas francesas não podiam competir, e num ultimo esforço para sobreviver, elas combinaram forças formando um grande consórcio fundado na França pela união de grandes empresas francesas, incluindo boneca Jumeau e Bru e a empresa franco-alemã Fleischmann e Bloedel. A companhia encerrou suas atividades no final da década de 50. A SFBJ fazia bonecas na França e Alemanha, mas em 1920 a produção estava centrada na França. As bonecas eram feitas de vários materiais, incluindo biscuit, porcelana, composição e os primeiros plásticos.
 

O Século XIX – Época de maior esplendor na fabricação de bonecas

1 – Antes do advento da industrialização, Paris tinha um  intercâmbio de materiais com a Alemanha, que produzia em grandes quantidades, as pastas de porcelana e as ceras usadas para o rosto das bonecas, vinham principalmente de Thunringia e Nurenberg.  Havia ainda as bonecas de luxo, únicas, ou as grandes séries em madeira também fabricadas na Alemanha para serem vendidas na França.

2 – As indústrias de manufatura de bonecas cresceram muito na Europa, principalmente na Alemanha, que dominou o mundo no seculo XIX, ganhando muitas fábricas de cabeças de porcelana, posteriormente anexadas aos corpos. Se antes eram um artigo de luxo, as bonecas passaram a ter um preço mais acessível, facilitando a compra pelas classes menos abastadas. Mesmo assim, não perderam a qualidade.  Bonecas com cabeças de porcelana e biscuit tornaram-se populares, conhecidas como “bonecas de porcelana”.

3 – As bonecas do início do século XIX tinham mecanismos de relojoaria suíça, fazendo-as reviver, tinham o corpo feito em tela ou pele e traziam por vezes um rudimentar mecanismo de som, que era complementado por uma cabeça em pasta de porcelana ou cera fabricada na Alemanha ou Inglaterra. Essas bonecas eram vestidas por grandes costureiros parisienses e eram usadas principalmente para divulgar a moda da época, são as tão famosas “Poupeés de Mode”, que atravessavam os oceanos dentro dos “trousseaus” (baús com enxovais) levando o que havia de mais bonito e luxuoso da moda francesa da época. Eram um produto voltado às classes mais abastadas.

4 – Autômato atingiu seu pico de produção em torno de 1850, que coincide com o pico de produção de bonecos de cera. E os fabricantes da boneca de cera, começaram a brincar com novas tecnologias.

5 – Fornecimentos de roupas e equipamentos para bonecas parisienses era uma pequena industria –  chapéu, sombrinha, jóias, estolas de pele, vestidos e casacos da moda.  Miniaturas de roupas de alta costura eram feitas com o mesmo tipo de seda e cuidado associado com o equivalente tamanho natural, em adição, tinha uma versão em escala de coisas pessoais desde sabonete a papel de carta, moveis, casas, vasos sanitários com descarga, etc..

6 – Tecidos ganham vida nas mãos de criativos estilistas de bonecas, que faziam os minúsculos pontos a mão, pois a maquina de costura só foi comercializada em 1850’s. Costura foi considerada uma forma de arte por séculos, no começo as agulhas eram de chifre ou de ossos e o fio de tendões de animais. As primitivas agulhas de ferro foram inventadas no século XIV.
A primeira patente de maquina de costura mecânica foi registrada em 1755 por um alemão, mas a maquina não era muito eficiente.  Somente 50 anos depois que um inventor inglês registrou uma patente de uma maquina de costura completa para passar a agulha através do couro. Um alfaiate Frances desenvolveu uma maquina em 1830 para trabalhos bordados, mas os alfaiates franceses, enfurecidos pela ameaça de perda de emprego queimaram sua invenção. Singer acrescentou o movimento acionado por um pedal do pé, as maquinas anteriores eram acionadas por manivela.

7 – No século XIX os franceses e alemães incluíram as maquinas de costuras nos seus workshops, as costureiras produziam uma grande quantidade de roupas e acessórios criativos e elegantes de bonecas a um nível comercial e muito lucrativo.

8 – Empresas como Jumeau, Bru e Maison Rohmer ofereciam a boneca com um traje chiquérrimo, e acompanhava uma mala com um enxoval maravilhoso,  com espartilhos, casacos de pele, chapéus, conjuntos, vestidos camisolas, acessórios de luxo e outros. Nos catálogos da época a descrição dos vestidos era longa e minuciosa, com o tipo de tecido, de materiais, de costura, de corte. O sucesso era tão grande na capital francesa que as bonecas se tornaram símbolo de luxo da sociedade e ícones da moda. Mães tentavam copiar os vestidos delas para si e para as filhas.

9 – Na metade do século 19 existia mais patentes que modelos comercialmente viáveis.

10 – As bonecas desses períodos hoje são consideradas verdadeiras relíquias. Quase todo esse patrimônio se encontra agora nas mãos de adultos, colecionadores, museus ou coleções privadas, onde tem status de obra de arte.
Para reconhecer uma boneca antiga, basta procurar sua marca. Ela pode ser encontrada em algumas peças, geralmente na nuca, debaixo do cabelo e atrás dos ombros. Outras possuem etiquetas ou selos presos ao corpo. Esses sinais permitem aos colecionadores identificar o fabricante, a origem, o tamanho e o número do modelo.  As primeiras bonecas de porcelana são muito raras, poucas  se conhece e se confirma como sendo de fato do século XVIII. As mais procuradas pelos colecionadores são as de boca fechada. As francesas são as mais perfeitas, com expressões surpreendentes. Os cabelos das bonecas antigas eram sempre humanos.
As Bonecas mais colecionáveis são as de 1918 a 1975. As bonecas anteriores a esse período são muito raras, e geralmente estão em museus.
Bonecas modernas são as fabricadas nos últimos 25 anos e as
Bonecas contemporâneas as que estão sendo fabricadas atualmente.

11 – Fim do século XIX, as bonecas parecem gente em série: elas falam, andam, choram, riem, tomam mamadeira, fazem xixi na fralda e têm pernas, braços e pálpebras móveis e um guarda-roupa variado.

Bleuette

Bleuette

Bleuette
Bleuette

1905 –  A revista “La Semaine de Suzette” Lança uma promoção para as crianças que assinarem a revista, ganha a boneca Bleuette de 29 cm, feita sob encomenda pela SFBJ,  e toda semana, ela ganha um acessório impresso novo, refletindo o estilo popular das crianças da época. O editor afirmava que estava preparando as futuras mulheres e mães da França, ensinando-as a costurar. Em 1960, encerra a produção, após várias séries e 55 anos de popularidade e vários catálogos bi anual , de onde se obtém uma visão panorâmica de moda infantil em toda a primeira metade do século 20.  No final de 1990, foi redescoberta a Bleuette, com seu guarda-roupa maravilhoso.  

Googlies

Googlies

1912  – Alemanha – Googlies, essas bonecas representaram uma revolução estética, são as verdadeiras ancestrais das bonecas que conhecemos hoje em dia. Com 12 cm, expressões marotas e olhos grandes e esbugalhados e o globo ocular movia-se de um lado a outro. A maioria fabricada entre 1915 e 1925.  As primeiras googly eram de biscuit, mais tarde, de quase todos os materiais, incluindo vinil (plástico mole) (Campbell Kids) e celulóide
 

1915 – Johnny Grulle, um cartunista de jornal, começa a comercializar as famosas Bonecas de pano Raggedy Ann, baseada em uma que ele fez pra sua filha. Exposição permanente no  Museu Johnny Gruelle Raggedy Ann & Anddy.
1920 – Emília (1920) . A boneca de pano foi confeccionada por Tia Nastácia, como presente a Narizinho. Desde que tomou uma pílula falante, nunca mais fechou sua torneirinha de asneiras. Criada por Monteiro Lobato, Emília é voluntariosa, arrogante e chata. Mas seu carisma e inteligência a tornam o destaque do Sítio do Picapau Amarelo.
 

  

1928 – Walt Disney cria o Mickey Mouse.  Dois anos depois, Charlotte Clark começa a fazer bonecos estufados de Mickey Mouse, assim nascia a Disney Merchandising.  Fazem parte das aventuras do ratinho sua namorada Minnie, seu cachorro Pluto e seus amigos Pateta e Pato Donald.
Até a década de 1930, Longe da tecnologia de ponta das grandes fábricas de hoje, a maioria das crianças brasileiras brincavam com bonecas de pano feitas por costureiras ou artesões em pequenas oficinas. Somente uma pequena parte da população de crianças tinha acesso a brinquedos importados da Europa.
 

bonecas estrela

bonecas estrela

1937 – Fundada a Manufatura de Brinquedos Estrela S.A., que começou como uma modesta fábrica de bonecas de pano e carrinhos de madeira. Mas não demorou muito para começar a produzir brinquedos de plástico, metal e outros materiais. Desde a primeira boneca, a Estrela já fabricou mais de 25 mil tipos diferentes, num total de mais de 1,2 bilhão de brinquedos que cresceu com as crianças brasileiras. Bonecos e bonecas representam quase a metade de sua produção.
1940 a 1950 – Popularidade das Bonecas de plástico duro, com traços mais nítidos e definidos. Cresce a industrialização dos brinquedos no Brasil, e as primeiras bonecas de plástico lançadas pela Brinquedos Bandeirante  e a Estrela, que ficaram para a história.

1950’s - A partir da decada de 50 com o advento da popularizaçao da Televisão, do cinema, e a popularização do desenho animado, a pratica de povoar o imaginario com bonecas e bonecos  que ja estava se desenvolvendo com a literatura infantil, tem seu apogeu. Pinóquio,  soldadinhos de chumbo, os fantoches da Vila Sézamo, Chucky (o boneco assassino), divas do cinema,  os inúmeros licenciados, e outros foram se materializando. No século XX, celebridades e personagens passaram quase que obrigatoriamente a ter seus equivalentes em forma de boneca.  A variedade de materiais foi mudando com o avanço da tecnologia e expectativa das crianças. A pesada madeira e a fria porcelana foram sendo substituidas pela composição, mais resistente e prática, e o celulóide,  mais leve e impermeável. Pano e feltro também foram uma boa alternativa para as novas bonecas.  Empresas como Effanbee, Ideal, Horsman, Mattel, Madame Alexander continuaram a aperfeiçoar novos materiais, que foram seguindo tendências.  A geração da década de 50 já começa a ter suas bonecas favoritas.

 
Pupi
Pupi  

Déc. 50 – Pupi, a primeira boneca de plástico (poliestireno), que dormia e chorava. Antes disso as bonecas eram feitas com uma massa inquebrável.

1959 – A boneca Barbie – um dos mais conhecidos ícones da cultura popular. Apresentada no American Toy Fair em Nova York por Elliot Handler, fundador da Mattel Toys, e sua esposa, Ruth. A boneca de 20 cm inspirada no desejo da filha deles que gostava de brincar com as bonecas de papel porque podia trocar as roupinhas e acessórios. Criaram uma boneca pequena, com rosto adulto, maquiada, e com roupinhas da moda. No começo a boneca chocou os americanos mais puritanos, acostumados com bonecas de feições infantis. Mas o sucesso veio muito rápido, mais de 350 mil bonecas foram vendidas logo no primeiro ano a um custo de US$ 3.
A Barbie já exerceu mais de 80 profissões diferentes, entre elas roqueira, atleta, astronauta e até candidata à presidência dos Estados Unidos, vendendo sonhos e estilos de vidas. Ela já usou roupas assinadas por celebridades da moda como Saint-Laurent. Dior, Kenzo, Cardin e Courrèges, e muitos outros. Mais de um bilhão de bonecas Barbie foram vendidas em 150 países. Atualmente se vende, no mundo, uma Barbie a cada dois segundos. O Brasil é o quarto maior consumidor da boneca, atrás dos Estados Unidos, Itália e França. A Barbie é  hoje o brinquedo mais promovido de toda a história. Ela chegou no  Brasil, em 1982, através da Estrela.

Déc. de 60 – Várias bonecas e animais tinham mecanismos de voz. A estrela lançou bonecas mecânicas, de vinil e plástico.  Nessa época também chegou a  Amiguinha com quase um metro de altura. A Trol lança a boneca Pierina.

1962 – É fabricada a boneca brasileira Susi – braços, cintura e pernas, além de cFashion doll (boneca que segue a moda), que vendeu 20 milhões de exemplares.  O corpinho tinha mais curvas que a da boneca americana Barbie. Foram criados vários modelos da bonequinha, entre eles: Susi Ciclista, Susi Espanhola, Susi Colegial e Susi na Onda do Tchan. Ela parou de ser fabricada em 1985 e voltou em 1997.

1963 – Baseado em sua segunda filha, o desenhista Mauricio de Sousa cria a personagem Monica. Menina dentuça e forte, que não leva desaforo para casa. Ela gosta de carregar seu coelhinho de pelúcia, chamado Sansão, que usa como arma contra os meninos, principalmente o Cebolinha e o Cascão.

1964 – A versão masculina de bonecas aparece com os G.I. Joe. Stanley Weston criou os bonecos inspirado em um seriado televisivo. A invenção, que tinha tudo para ser um fiasco, se tornou um enorme sucesso entre os meninos. Foi lançado na época da Guerra do Vietnã…… 

1970’s – a Mãezinha ,  Lalá e Lulú (boneca com cachorrinho), Sapequinha, e as Fofoletes  já eram as melhores amigas.
1973 – Gui-gui,  que ria quando se abriam e fechavam seus braços

guigui da estrela

1977 – Falcon – Estrela – Um dos mais queridos brinquedos dos garotos da época, e uma das primeiras figuras de ação produzidas no Brasil, o Falcon tinha 12 polegadas (cerca de 30 cm), cabelo de verdade, articulações no pescoço,braços, cintura e pernas, alem de contar  com uniformes para vários tipos de missões, veículos e uma infinidade de acessórios. O primeiro herói, que vendeu que 3 milhões de unidades e abriu caminho para os meninos entrarem na guerra de vendas.

1980’s – Bate- palminha, A Beijoca que “soltava beijinhos”  com abrir e feichar dos braços, a tippy, que andava de triciculo e cavalinho,  e a estrela lança a primeira boneca eletrônica, a Amore.

beijoca

beijoca

Bonecos para meninos:
Falcon – boneco militar
He-Man – super herói
Lego e Playmobil – bonecos articuláveis e componíveis
Forte Apache – soldados e índios do Velho Oeste
Comandos em Ação – personagens de ação
Soldadinho de chumbo – personagens de guerra
Ken e Beto – namorado da Barbie e da Susi

Hitler - Ucrania

Hitler - Ucrania

 

O boneco de ação do Hitler é vendido na Ucrânia com roupas, pins, medalhas, óculos, e outra cabeça de reposição com uma feição um pouco mais gentil. Na caixa a data de nascimento e morte do líder nazista. Típica brincadeira de mau gosto.

  

 

 

Rituais  e tradições

As jovens Gregas fazia parte de um ritual na época do casamento, em que consagravam suas bonecas à deusa Ártemis (Diana em latim, a deusa da caça, protetora da vida selvagem e da juventude) e a Afrodite (Vênus em latim, a deusa do amor). acompanhadas de bilhetes com dedicatórias.

Os Romanos celebravam em dezembro, festas particulares em que bonecas eram dadas como presentes. Em maio, o Deus Lares era homenageado com altares lotados de bonecas. O ritual e o prazer da simples brincadeira se tornaram inseparáveis na sociedade clássica.

Costa do Marfim - Os Cuanhama, ou os Lobi de Angola, quando as mulheres engravidam, passam a andar com bonecas penduradas na cintura. A boneca pode ter característica masculina ou feminina, dependendo do desejo dos pais. É tradição a  mãe ou avó presentear a menina com uma boneca, simboliza que a família Ihe confia a imagem de sua futura descendência, protegendo-a contra a esterilidade.

Japão - as bonecas são chamadas de Ningyoo, não sendo apenas brinquedos infantis; elas são um símbolo da história dos costumes do país. Em datas específicas, elas são tema da ornamentação nas residências japonesas. Se colocada no leito de uma criança doente, a boneca pode levar a moléstia embora. Se presenteadas no dia do casamento, são símbolo de prosperidade e felicidade conjugal para o jovem casal.

Há 900 anos no Japão, no dia 3 de março se comemora o Dia das Meninas, e as bonecas são expostas na sala de visita, em um altar de cinco andares onde as figuras do casal imperial estão no topo do altar, as crianças reverenciam a casa imperial reunindo suas bonecas e bonecos numa grande festa. As bonequinhas são visitadas, apresentadas às amigas e, durante o chá, são servidas em primeiro lugar. Representam o imperador e a imperatriz. Nada parecido com o chazinho de boneca das nossas crianças Para os japoneses, bonecas têm espírito. O dia 5 de maio é o Dia dos Meninos, cujos bonecos guerreiros simbolizam força e bravura. 

ningyo kuyo

ningyo kuyo

 

Cremação Japonesa - Tradicional ritual há mais de vinte anos, em Tóquio tem o Ninguyo Kuyo- “consolo da alma das bonecas”. Todo dia 25 de setembro, as mulheres estéreis que obtiveram a graça de ter um filho levam uma boneca para ser cremada no templo Kiyomizu-Kannondo. Queimando a boneca, seu espírito carregado do desejo de maternidade vai embora com a fumaça e a criança pode crescer em paz. Vai-se o espírito infantil, fica o comercial.

 

 

 

Índios Carajás, de Goiás- somente mulheres e meninas podem manipular as pequenas bonecas de barro chamadas Licocós, executadas em vários tamanhos, sempre com pinturas tribais, sempre carregando símbolos rituais.

Guatemala - bonequinhas tradicionais são colocadas sob o travesseiro de uma criança para proporcionar um sono pacífico.

África - Na Africa do  sul, tem como tradição oferecer a cada jovem uma boneca que esta reserva para o primeiro filho que tiver. Após o nascimento do seu filho, a mãe recebe outra boneca para oferecer ao seu segundo filho. As bonecas eram confeccionadas com diferentes materiais, inclusive ouro e marfim para seu brincar  no mundo do faz-de-conta.

Portugal -  Na região do Algarve, o dia 1 de Maio é dedicado a boneca Maia. Ela é confeccionada com palha e trapos, alta com vestes brancas. Neste dia os moradores deixam no centro da casa, cantando e dançando à sua volta.

Rússia -  Mamuschka ou Matrioshka – Conjunto de bonecas de tamanhos decrescentes, geralmente feitas em madeira de tília e muito coloridas, e que são guardadas umas dentro das outras.

Vietnã - Tradicional Teatro Aquático de Fantoches, secular apresentação com bonecos, que “atuam” sobre a água e com pequena orquestra, cuja existência esteve ameaçada de desaparecimento e foi resgatada na década de 80.

Alemanha - na região de Erzgebirge, a produção artesanal do boneco quebra-nozes é largamente usado como enfeite natalino e constitui-se em importante manifestação cultural.

O hobby de colecionar bonecas é o terceiro mais popular do mundo, atrás apenas dos aquários e dos selos.

Um dos brinquedos mais populares e antigos do mundo. Cronologia da bola e do futebol.

Feche os olhos e volte a milhares e anos.  Imagine numa ação instintiva um homem da Idade da Pedra, que sem querer bate numa pedra ou em um osso e alguém a chuta de volta, assim começou o jogo? Não há nenhuma documentação clara, indicando a data e o local de origem, mas a maioria dos historiadores concorda que algum tipo de jogo de futebol começou no mínimo por mais de 3000 anos. As origens da bola e do jogo podem ser vistas em  disputas em diferentes lugares do mundo, antes do nosso jogo moderno, desenvolvido na Inglaterra.        

 E a protagonista, a bola? Desenhos realizados em cavernas há mais de 30.000 anos retratam homens segurando objetos esféricos de pedra. Desta forma, acredita-se que as primeiras bolas tenham sido ferramentas de caça do homem pré-histórico, antes de se transforamarem no brinquedo mais popular do mundo entre adultos e crianças.  Dizem que a única diferença de brinquedos de crianças e adultos é o tamanho. A bola é uma exceção.      

Civilização Maya

Civilização Maya

 A busca de comida pode ter sido a raíz de todos os esportes, afinal, para agarrar a sua presa, o homem aprendeu a correr, nadar ,  remar, acertar alvos.        

 A bola pode ser  esférica, ou não,  pode ser oca e repleta de ar,  ou solida, como a bola de bilhar ou de golfe. São cerca de 200 modalidades (alguma delas, 100 por cento brasileiras, como o biribol, o futevolei e a sinuca) em que a bola é acertada, chutada, ou arremessada trazendo a alegria, diversão e saúde a milhares de anos para pessoas de todas as idades.     

Hoje vou falar um pouco da cronologia da bola associada ao futebol.       

Livro de instruções militar, o Tsuh Kuh.

Livro de instruções militar, o Tsuh Kuh.

  5000-300 B.C. Na CHINA ANTIGA, Há evidências de que as forças militares, em torno de 2 º e 3 º século aC      (Dinastia Han) praticavam um jogo, originalmente chamado “Tsu Chu“, em que chutavam uma bola de couro recheado com pelo ou penas atravez de uma abertura e, uma rede esticada entre postes de 30 metros de altura para treinamento militar. Os registros indicam que Tsu Chu foi jogado como parte da celebração do aniversário do imperador.    Dizem que o jogo começou depois das guerras, quando  formavam 2 equipes com 8 jogadores para chutar a cabeça dos soldados inimigos. Com o tempo, as cabeças dos inimigos foram sendo substituídas por bolas de couro revestidas com cabelo. O objetivo era passar a bola de pé em pé sem deixar cair no chão, levando-a para dentro de duas estacas fincadas no campo.  Estas estacas eram ligadas por um fio de cera.       

 Há 2500 aC - No EGITO ANTIGO , Talvez uma versão de um tipo de jogo de futebol disputado por mulheres jovens no Egito durante a época de Baqet III, como as imagens deste esporte foram retratados em seu túmulo. Não há muito conhecimento deste desporto, exceto que ele usava uma bola.        

  1000 B.C.  No JAPÃO ANTIGO  a versão de futebol é chamada “KEMARI ”, praticado por integrantes da corte do imperador  japones. Disputado num campo de aproximadamente 200 metros quadrados, com 2 a 16 jogadores,

kemari - Aquarela do Museu de Preston - Reino Unido

kemari - Aquarela do Museu de Preston - Reino Unido

 jogado com uma grande bola de fibra de bambu, recheadas com serragem. O campo era  cercado por quatro árvores (de cereja, carvalho, pinho e de salgueiro),  entre as regras, o contato físico era proibido entre os 16 jogadores (8 para cada equipe).

 Dizem que os Vikings chutavam as cabeças de seus inimigos, num comportamento nada agradável, mas como todos da época, jogavam um tipo de jogo com bola.

Os Astecas no México desenvolveram seu próprio jogo de chutar, para o qual utilizavam uma pedra coberta com uma fina capa de resina. O jogo, conhecido como “tlatchi”, acontecia entre dois times com 7 homens e era uma atividade cultural muito importante. Os jogos aconteciam em estádios construídos para este fim e apostavam-se grandes somas de dinheiro nos resultados.

 50 B.C. Primeiros a ter um “jogo internacional” de suas versões de futebol, entre os jogadores de Tsu chu da China  e os  de  kemari do Japão. Registros antigos comparam a bola redonda com o gol quadrado com Yin e Yang, os símbolos antigos da harmonia. Os participantes se organizavam em um grande círculo e deveriam chutar uma pequena bola, com o fim de acertar o alvo no centro da roda.  

2500 AC maya

2500 AC maya

 Curiosidade – séc IV, V. O surgimento do boliche é bizarro.  A modalidade apareceu nas igrejas germânicas. Os pinos personificavam os pagãos, que deveriam ser derrubados pela bola da fé- bolota de rocha. Assim, padres e fiéis passavam horas e horas fortalecendo a sua religiosidade( treinando arremessos).   

 600 – 1600 AD No México e América Central uma bola de borracha foi criada e usada em um jogo em uma  quadra de 40-50 pés de comprimento em forma da letra maiúscula “I”.

jogo de bola maia

jogo de bola maia

 No meio de cada parede, tinha um anel de pedra ou madeira e o objetivo era projetar a dura bola de borracha e atravessar o anel sem as mãos.   

 GREGOS E ROMANOS – Antes de Cristo, os gregos e romanos foram os maiores expoentes de jogos. Construíram arenas por todo seu império e transformaram tudo em teatro, desde corridas de carruagem até combates de gladiadores, em que ferimentos graves ou mesmo a morte eram coisas naturais e faziam parte do espetáculo. Comparado a isso, chutar uma bola parece sem graça, mas….. Os gregos criaram um jogo por volta do século I a.C que se chamava Episkiros.        

 Na cidade grega de Esparta, os jogadores, também militares, usavam uma bola feita de bexiga de boi cheia de areia ou terra. O campo onde se realizavam as partidas, em Esparta, eram bem grandes, pois as equipes eram formadas por quinze jogadores. No caso dos gregos, era chamado de “episkyros”, e dos romanos, um jogo chamado “harpustum” – mas ambos eram principalmente jogos em que a bola era carregada. Quando os romanos dominaram a Grécia, entraram em contato com a cultura grega e acabaram assimilando o Episkiros, porém o jogo tomou uma conotação muito mais violenta.      

Episkyros

Episkyros

 O EPYSKIROS da Grécia antiga consiste em duas equipes de 9 jogadores cada e jogavam num terreno de formato retangular, com o objetivo de jogar a bola por cima da cabeça da outra equipe. Havia uma linha em branco entre as equipes e outra da linha branca por trás de cada equipe.     O  “HARPASTUM” veio da palavra grega “Harpazein” que significa agarrar. A bola era pouco menor que a de futebol,   e dura, porque era recheada com areia.    

Harpastum

Harpastum

   O campo demarcado, e times de 12 jogadores. Parecido com o rugby, com mais arremessos que chutes. O objetivo era fazer com que a bola permanecesse atrás da linha central, em seu próprio lado, e não permitir que o adversário a pegasse. Os gols eram marcados se a bola batesse no chão.        

Os romanos introduziram este jogo na Bretanha e pode ser considerado como precursor do futebol, igualmente o “Hurling“, que era muito popular entre a população CELTA e que se pratica, ainda hoje, em Cornwell na Irlanda.         

700s – Os primeiros jogos na GRÃ-BRETANHA foram entre os moradores do leste de Inglaterra, começando depois de um “lendário” jogo que era chutar a cabeça decepada de um príncipe dinamarquês que tinham derrotado em uma guerra. Estes jogos foram violentos, onde a lesão e morte não eram incomuns.         

1000 – Se  jogava na FRANÇA a SOULE. Esta podia ser “curta” contando com um campo delimitado e até 100  jogadores tentando levar a bola (uma vesicula de cerdo inflada de grandes dimensões) ao campo contrário. A Soule “longa” consistia em levar a bola de um pueblo a outro.
   

Soule

Soule

  1100 – Apesar da popularidade na INGLATERRA no século 12, o jogo havia se tornado um esporte violento e sem regras, onde socos, pontapés, rasteiras e outros golpes violentos eram tolerados.         

1314 – Por ordens do Rei Edward II da Inglaterra cidadãos param de jogar futebol         

1331 – O Rei Edward III aprova Lei para acabar com o jogo.         

1424 - O Rei James I da ESCÓCIA, também aprovou uma Lei proibindo o jogo.         

1572 – A rainha Elizabeth I da Inglaterra, promulgou leis que podiam sentençiar um jogador de bola  para a cadeia por uma semana seguida de penitência em uma igreja por causa da violência.         

Gioco del Calcio

Gioco del Calcio

  1500 –  na ITÁLIA MEDIEVAL,  eles jogavam o “GIOCO DEL CALCIO“, com equipes de 27 ou mais pessoas. Praticado em praças, o jogo envolvia chutes, transportar ou passar a bola através de uma linha de gol. O barulho, a desorganização e a violência eram tão grandes que em 1580, Giovanni Bardi publicou um conjunto de regras do jogo Calcio sem violência e juízes para cumprir as regras.         

O futebol chega à Inglaterra
Século XVII – Pesquisadores concluíram que o Gioco de Calcio saiu da Itália e chegou a Inglaterra. Na Inglaterra, o jogo ganhou regras diferentes e foi organizado e sistematizado. O campo deveria medir 120 por 180 metros e nas duas pontas seriam instalados dois arcos retangulares chamados de gol. A bola era de couro e enchida com ar. Com regras claras e objetivas, o futebol começou a ser praticado por estudantes e filhos da nobreza inglesa. Aos poucos foi se popularizando.         

1600 - No ALASCA E CANADÁ, esquimós nativos jogavam um futebol no gelo chamado AQSAQTUK,  utilizando bolas recheadas com grama,cabelo e musgo.Conta uma lenda a história de duas aldeias jogando uns contra os outros, com metas de 10 milhas de distância.         

1605 – Na Inglaterra, o futebol tornou-se legal e novamente no final do séc 17 era o esporte mais popular do país.         

1600 – Por volta do século XVII, o jogo de CRICKET foi muito popular em áreas rurais, mas no século seguinte, as classes de lazer assumiu o esporte, especialmente em Kent, Sussex e Londres.         

1620 – Nos EUA,  ÍNDIOS AMERICANOS nativos da primitiva colônia de Jamestown jogou o PASUCHUAKOHOWOG, que  significa “eles se reúnem para jogar bola com o pé.” Era um jogo bruto, jogado na praia, o campo de meia milha de largura, com gols de uma milha de distância, com até 1.000 jogadores ao mesmo tempo. Os jogos muitas vezes resultavam em ossos quebrados, mas ninguém podia ser identificado porque os jogadores se disfarçaram com ornamentos e pintura de guerra. Era comum os jogos serem realizados ao longo de um dia para o outro com uma festa para todos no final da partida.         

1680 – Inglaterra, o futebol ganha patrocínio Real do Rei Charles ll.         

1744 – A palavra GOLFE (ou Golf em inglês) vem do holandês colf, que era um jogo de taco e bola, jogado na Holanda por volta de 1360. Provavelmente foram então os Holandeses, os inventores do esporte. Suas principais regras foram escritas na Escócia em 1744, em St. Andrews pelo Royal Ancient Golf Club, hoje a principal instituição regulamentadora do Golfe no mundo. Daí o fato de que muitos associam a criação do esporte aos escoceses. Tinha um jogo romano similar chamado paganica .       

1815 – O Eton College da Inglaterra estabeleceu um conjunto de regras para os jogos.
1820 – E.U.A., o futebol era disputado entre as universidades e faculdades do Nordeste, de Harvard, Princeton, Brown e Amherst.
 
1823 –   Segundo a lenda, Webb Ellis, aluno da escola da cidade inglesa de RUGBY, durante uma partida de um jogo  parecido com o futebol,   , pegou a bola com as mãos e quebrando as regras estabelecidas correu com ela,

Estátua de William Webb Ellis na cidade de Rugby

Estátua de William Webb Ellis na cidade de Rugby

 convertendo-se no precursor do rugby atual.      

1827 - E.U.A, calouros e veteranos de  Harvard  instituíram um campeonato anual de futebol , disputado na  primeira segunda-feira do novo ano escolar. Estes jogos foram evidentemente muito barulhento, e ficou conhecido como “Bloody Monday”.         

1830 – O esporte cresceu entre as comunidades da classe trabalhadora e era visto como uma forma de manter crianças e jovens hiperativas sem problemas em casa e na escola, eles poderiam gastar toda energia e aprender os valores do trabalho em equipe.         

O objetivo dos fabricantes de BOLAS NO SECULO 19 era o de encontrar um padrão no qual a bola mantivesse sua forma e, mesmo assim, fosse fácil de cortar e costurar. Como Isso era feito totalmente à mão, quanto mais simples, melhor.    

1836 – Charles Goodyear patentea a borracha vulcanizada. Antes disso, as bolas foram dependentes do tamanho e forma da bexiga do porco. Quanto mais irregular a bexiga, mais imprevisível o comportamento da bola quando  chutada.         

A essência toda do futebol está na bola. Voar direcionada e repicar de forma previsível, foi o que fez do futebol o jogo mais popular e de maior sucesso no mundo…….         

bola Charles Goodyear 1855 National Soccer Hall of Fame, Oneonta, NY, E.U.A..

bola Charles Goodyear 1855 National Soccer Hall of Fame, Oneonta, NY, E.U.A..

1855 –  Charles Goodyear projetou e construiu as primeiras bolas de borracha vulcanizada para futebol.         

1848 – Numa conferência em Cambridge, estabeleceu-se um único código de regras para o futebol, para facilitar a padronização e  aprovada por todas as escolas, faculdades e universidades, conhecida como as Regras de Cambridge.          

1862 - o inglês H.J.Lindon, que havia perdido sua esposa em razão de uma doença provocada pela ação de encher com a boca milhares de bexigas de porco ,desenvolveu a primeira bola inflável de bexiga de borracha.
1862 – Formado o Oneida Football Club, Boston E.U.A., primeiro clube de futebol fora da Inglaterra.         

1863 – no dia 26 de outubro, a Football Association foi formada quando onze escolas e clubes de Londres se

Bola oficial copa FA 1893

Bola oficial copa FA 1893

 reuniram para  estabelecer um conjunto único de regras para administrar qualquer jogo de futebol para ser disputado entre eles.         

1863 – em 08 de dezembro, a “Associação de Futebol” e Rugby Futebol” finalmente foram divididas em duas organizações diferentes. Os dois jogos tinham praticamente as mesmas raízes. Essa separação foi fundamental para o desenvolvimento do futebol moderno.         

 1869 – As regras de Football Association (FA)  foi novamente alterada para excluir qualquer manuseio da bola.         

1871 –Criada a figura do guarda-redes (goleiro) que seria o único que poderia colocar as mãos na bola e deveria ficar próximo ao gol para evitar a entrada da bola.         

1872 – Primeiro Jogo Internacional entre a Inglaterra e a Escócia.           

 1875 – Estabelecida a regra do tempo de 90 minutos, que até então a duração da partida era acordada antes, mas desde 1966 já combinavam 1hora e meia.         

1883 – As quatro associações britânicas entraram num acordo sobre a uniformização de um código e formar a International Football Association Board.         

1885 – O primeiro Jogo Internacional jogado por equipes de fora da Grã-Bretanha foi entre E.U.A. e Canadá         

 1886 – Criada a International Board, na Inglaterra esse conselho administrativo, entidade cujo objetivo principal era estabelecer e mudar as regras do futebol quando necessário. A associação de Futebol começa a treinar os árbitros.       

1888 – Fundada a Liga Inglesa de Futebol, com o objetivo de organizar torneios e campeonatos internacionais, em conseqüência começou a produção maciça de bolas de futebol.  Ano de Introdução do pontapé de grande penalidade. Aos árbitros são dados amplos poderes de controle.         

1891 BASQUETEBOL –  James Naismith, um canadense, inventou o jogo de basquete em 1891, enquanto trabalhava no YMCA. College, em Springfield, Massachusetts.         

1891 – - Estabelecido o pênalti, para punir a falta dentro da área.

1894Primeiras 2 bolas trazidas ao Brasil, da marca inglesa SHOOT, por CHARLES MILLER e Hans Nobiling.  Charles trabalhaca na Estrada de Ferro Jundiaí-Santos, e o campo do Lira Serrano, de Paranpiacaba foi um dos primeiros do país. Porém ha relatos que já existiam partidas entre os alunos do colégio São Luis em Itú em 1872.         

1895 – Criado o VOLEIBOL por Willian G. Morgan         

1897 – Uma equipe de futebol inglesa chamada Corinthians fez uma excursão fora da Europa, contribuindo para difundir o futebol em diversas partes do mundo.         

1900 - A fabricação de bolas no Brasil, de maneira artesanal e tem sua autoria dividida entre o padre Manoel Gonzáles e um sapateiro chamado Caetano.         

 1904 – Criação da FIFA (Federação Internacional de Futebol Association),  numa reunião em Paris no dia 21 de maio por delegados de França, Bélgica, Dinamarca, Holanda, Espanha, Suécia e Suíça, que organiza até hoje o futebol em todo mundo. É a FIFA que organiza os grandes campeonatos de seleções, Copa do Mundo, de quatro em quatro anos. A FIFA também organiza campeonatos de clubes como:  a Copa Libertadores da América, Copa da UEFA, Liga dos Campeões da Europa, Copa Sul-Americana, entre outros.  Ao todo possui 210 países e/ou territórios na associação. Com esse número, é a instituição internacional que possui a maior quantidade de associados, inclusive mais associados do que a ONU.      

bola de 1910

bola de 1910

1904 – Incluido o futebol nos Jogos Olímpicos de 1904 em St. Louis.      

1907 – Foi estabelecida a regra do impedimento.         

1908 – Fotebol se torna oficialmente um evento Olímpico.    

1913 – FIFA se torna um membro da F.A. Board Internacional         

 
bola 18 gomos

bola 18 gomos

 1920 – Bola de couro – O couro era o único material usado nas bolas, normalmente confeccionadas como “caixas”de 12 gomos ou da variedade de 18 gomos. Ambas funcionavam a partir do mesmo modelo do cubo de seis lados arredondado desenvolvido por Joseph Pracey. Na versão de 12 gomos, os seis lados do cubo são divididos em dois e, na versão de 18 gomos, são divididos em três.  Em 1920, os fabricantes começaram a usar um tecido forte para cobrir o couro, para impedir que ele esticasse e perdesse a forma. E melhoraram a resistência à água, revestindo o couro com materiais resistentes a água ou tintas sintéticas. Até os anos 30, todos os gomos de couro tinham de ser cortados à mão, então, dependendo da habilidade do cortador, sempre havia margem para erro.         

Anos 30 –  Fabricantes desenvolveram máquinas com facas moldadas, o que acelerou o processo de corte e gerou maior uniformidade. Os gomos também eram planos e cada costureiro tinha que fazer os próprios buracos de costura com um furador.         

 1930 - Primeira Copa do Mundo, em Montevidéu, no Uruguai, com 13 equipes. Realizada pela FIFA.        

bola copa 1930

bola copa 1930

A bola da Copa de 1930  –   Seria uma montagem de 12 peças, mas, de fato, duas bolas foram usadas na Final!  Houve uma grande discussão sobre qual bola seria usada – a bola uruguaia ou a bola argentina. A bola dos anfitriões, o Uruguai, supostamente era um pouco maior que a da Argentina, mas, dado que a circunferência da bola sempre foi entre 68 e 70 cm, a diferença dificilmente era perceptível. No final, a única forma para resolver o impasse foi que os times concordassem em usar a bola argentina no primeiro tempo e a bola uruguaia, no segundo. Basta dizer que a Argentina fez 2-1 no primeiro tempo e o Uruguai venceu o jogo de 4-2!       

1934 –Bola da Copa da Italia –  Orsi, que fez o gol da vitoria da Itália com uma bola que fez uma curva fantástica, tentou no dia seguinte, repetir por 20 vezes seu truque da curvatura da bola para os fotógrafos e falhou – mesmo com o gol vazio!
A bola é possível que possa ter ficado levemente torta no final da partida, o que pode ter sido a causa do desvio, mais do que apenas a habilidade de Orsi.       

1938 – França - Como nas duas Finais de Copas anteriores, as bolas de 12 gomos usadas teriam vindo de fornecedores locais, de couro marrom.        

1940 – As bolas passarram a ter costura interna, sem a abertua e o cordão. Mas seu couro encharcava nos dias de chuva, podia pesar 25% a mais, tornando-as extremamente pesadas, como as bolas de capotão muitos usaram  usaram na década de 80.   As crianças dos anos 40 no Brasil, jogavam com um tipo de bola aberta,  e em uma das laterais tiravam o bico da camara de ar, enchiam com um pequena bomba, amarravam o bico (da camara) introduzindo-o para dentro do couro e em seguida costuravam. Na época existiam diversos tipos de bola , destinadas a todas as idades. Existiam bolas nº 01, 02, 03, 04 e 05, com tamanhos diferenciados. De  06 e 08 anos era a bola nº 01.     Se os gomos de couro esticassem, a bola logo perderia o formato. Apesar de vários revestimentos terem sido testados no fim do século 20, o couro ainda absorvia muita água o que resultava em um jogo menos controlado. Para ajudar a bola a manter sua forma e tamanho, forros de tecido eram usados entre a bexiga e o exterior, na maioria das vezes, o forro era muito forte, o que fazia com que a bola ficasse mais dura do que deveria.         

Durante a Segunda Guerra foram desenvolvidos tintas sintéticas e outros materiais não pororos para revestimento de couro, e um novo tipo de válvula foi inventado, que eliminoiu a fenda atado nas bolas.         

O couro também é um material natural e, apesar de acabado e raspado para uma espessura por igual, imperfeições aconteciam. De fato, o couro pós-guerra era de qualidade tão baixa que a bola estourou nas Finais da Copa FA da Inglaterra de 1946 e 1947!         

1950 – Oficializada a bola branca para ajudar os espectadores a ver mehor a bola, além de ter boa visualização pela TV branca e preta desta época. Bolas laranjas também foram introduzidas para ajudar a ver a bola na neve.           

Anos 60 – Primeira bola de futebol totalmente sintética. A procura de um material com maior consistência coincidiu com o desenvolvimento de couro sintético ou artificial.         

O PVC (clorido de polivinil) foi a primeira escolha para as primeiras bolas de futebol. Quando misturado com um plastificador, ele fica maleável é a prova d’água, e pode ser costurado facilmente. Algumas bolas de futebol são ainda feitas de PVC, mas essa não é a melhor escolha, pois elas furam facilmente e podem ficar duras no clima frio, e moles no clima quente.         

Uma escolha melhor para as bolas de futebol acabou sendo o poliuretano. Independentemente se uma bola é feita de couro ou com material sintético, o método de se fazer uma bola à mão mudou muito nos últimos cem anos         

Hoje, mais de 40 milhões de bolas de futebol são produzidas por ano. Elas variam de preço de uns poucos dólares até $150 ou mais, com 90 fabricantes licenciados FIFA         

1970 – A primeira bola oficial a ser usada numa Copa do Mundo foi a “ADIDAS TELSTAR” no México. 

adidas Telstar

adidas Telstar

Bola de futebol          

Circunferência superior a 68 cm e inferior a 70cm.         

Peso no inicio da partida, de 410g a 450g. A pressão devera ser igual a 0,6 – 1,1 atmosferas (600-1100 g/cm2).           

Feita de couro sintético porque sua espessura varia muito menos do que a do couro natural. Várias camadas de material que são revestidas com uma cobertura à prova d’água. As camadas são impressas e cortadas em gomos. São finalizadas, tradicionalmente, à mão por costureiros habilidosos, apesar de que, cada vez mais, bolas são produzidas por máquinas. São 1.400 a 2.000 pontos, costurada de dentro para fora. Antes da última peça ser costurada, a bola é virada do lado avesso, a válvula de borracha é inserida e o último ponto é dado, usando uma ferramenta curva especial. Isso permite que os costureiros puxem os fios de dentro da bola para garantir um acabamento liso perfeito.  o material deve ser macio o suficiente para esticar numa esfera quando o ar a inflar. Os fazem com que a bola voe mais rápido e de maneira mais precisa pelo ar. Uma bola completamente lisa está longe do ideal.         

Há 2000 Anos atrás, (287 a.C.)   o matemático Arquimedes nomeou os chamados sólidos de Arquimedes. São basicamente trinta formas que se encaixam perfeitamente numa esfera usando triângulos, quadrados, pentágonos, hexágonos, octógonos e decágonos.    Quanto menor for o número de pedaços, maior a quantidade de elasticidade de cada pedaço para permitir que a bola inflada fique redonda, mas muita elasticidade quer dizer que a bola pode continuar sendo inflada e ficar muito grande ou desigual.     

Hoje existem apenas cinco maneiras de se dividir uma bola – ou mais precisamente uma esfera – em seções idênticas com extremidades e ângulos iguais. Eles são quatro triângulos, seis quadrados, oito triângulos, doze pentágonos ou vinte triângulos.      

A bola oficial dos ultimos  campeonatos tem 32 painéis externos: 12 pentágonos, 20 hexágonos, costurados nas 90 arestas, e 60 nós (ou vértices). É um icosaedro truncado. Todas estas costuras, arestas e nós são “suavizados” com o enchimento da bola, mas não produz uma superfície esférica perfeita.     

tetraedro truncado

tetraedro truncado

A novidade desta bola de 2010 é que a Adidas reduziu o número de painéis, que implica menor quantidade de emendas e nós. Apesar de toda a tecnologia da nova bola, reconhecemos a semelhança com sólido de Arquimedes, o tetraedro truncado, que tem exatamente oito faces planas regulares: quatro hexágono e quatro triângulos.     

Ela usa usa materiais dos países emergentes:     

* Thermoplastic polyurethane-elastomer (TPU) TPU 0.3 mm: manufaturado em  Taiwan
* Latex bladder: Manufaturado na India     

Jabulani

Jabulani

* Ethylene vinyl acetate (EVA) EVA 3.5 mm: Manufacturado na China
* Isotropic polyester/cotton fabric: Manufaturado na China
* Glue: Manufaturado na  China
* Ink (11 colours): Manufarurado na  China     

19 de julho o Dia do Futebol     

    

- Lúdica, teatral e festiva- Celebrando o Folclore e os Santos Populares-Festa Junina


Quando chegaram no Brasil os rituais e celebrações de fertilidade das plantações,  trazida  pelos portugueses na época da colonização,  eles foram se incorporando nas danças, costumes, comidas, rezas, musicas, cores,   culturas  e felicidade de um povo festeiro,  se transformando na maior festa de São João do Mundo.

ORIGEM – Essas festividades remontam a um tempo muito antigo, anterior ao surgimento da era cristã. Em junho, tempo do solstício de verão (o Sol ao meio-dia, atinge seu ponto mais alto no céu, esse é o dia mais longo e a noite mais curta do ano),  ápice da estação,  marcavam o início da colheita, entre os dias  21 a 24. No Hemisfério Norte, era a época do ano em que diversos povos — celtas, bretões, bascos, sardenhos, egípcios, persas, sírios, sumérios — faziam rituais de invocação de fertilidade para estimular o crescimento da vegetação, promover a fartura nas colheitas e trazer chuvas. ( rituais de fertilidade associados ao cultivo das plantas, sempre foram praticados pelas mais diversas sociedades e culturas em todos os tempos). Nelas ofereciam comidas, bebidas e animais aos vários deuses em que o povo acreditava.  As pessoas dançavam e faziam fogueiras para espantar os maus espíritos.

NO MUNDO – Os festejos de Festas Juninas ou Festas dos santos populares são celebrações que acontecem em vários países historicamente relacionados com a festa pagã do solstício de verão, que era celebrada no dia 24 de junho, segundo o calendário Juliano (pré-gregoriano) e cristianizados na Idade Média como “festa de São João”. Essas celebrações são particularmente importantes no Norte da Europa – Dinamarca, Estônia, Finlândia, Letônia, Lituânia, Noruega e Suécia -, mas são encontrados também na Irlanda, partes da Grã-Bretanha, França, Itália, Malta, Portugal, Espanha, Ucrânia, outras partes da Europa, e em outros países como Canadá, Estados Unidos, Porto Rico, Brasil e Austrália.  As origens dessa comemoração também remontam à antiguidade, quando se prestava culto à deusa Juno da mitologia romana, denominados “junônias”. Daí temos uma das procedências do atual nome “festas juninas”.

MIX – Tais celebrações coincidiam com as festas em que a Igreja Católica comemorava a data do nascimento de São João, um anunciado da vinda de Cristo. O catolicismo não conseguiu impedir sua realização, e as  comemorações foram adaptadas ao calendário cristão. Como o catolicismo ganhava cada vez mais adeptos, nesses festejos acabou se homenageando também São João. Os primeiros países a comemorá-las foram França, Itália, Espanha e Portugal.

ORIGEM DO NOME -No Brasil, recebeu o nome de Junina, desde o século IV era conhecida em Portugal de Joanina, de São João, porque acontece no mês de junho, quando se festejam quatro santos – Santo Antônio, dia 13; São João, 24; e São Pedro e São Paulo, dia 29 de junho.

NO BRASIL- Os Jesuítas desde o começo da colonização do Brasil acendiam fogueiras e tochas em junho, provocando atração sobre os indígenas, mas as primeiras referências às festas de São João no Brasil datam de 1603. Mais tarde foram incluídas nas festas juninas os outros santos. Antes da chegada dos colonizadores, os índios realizavam festejos relacionados à agricultura no mesmo período. Os rituais tinham canto, dança e comida. A religião dos índios era o animismo politeísta – adoravam vários elementos da natureza como deuses, portanto tanto os indios qto os  negros  que viviam no Brasil não tiveram dificuldade em se adaptar às festas juninas, pois são muito parecidas com as de suas culturas.      Com a chegada da família real ao Brasil, em 1808, as festas foram se sofisticando, a ralé  observava a dança com troca de pares e a imitavam em suas festas populares.     As festas juninas brasileiras tem em comum a alegria e descontração, mas  diferenciam-se por região, as do Nordeste, com fartura de comida fogos de artifícios e forró,  e as dos estados de São Paulo, Paraná , Minas Gerais e Goiás, com quermesses e danças de quadrilha em torno de fogueiras. As mais tradicionais festas juninas do Brasil acontecem em Campina Grande (Paraíba) e Caruaru (Pernambuco).

QUITUTES DE MILHO- Trazida para o Brasil pelos portugueses e incorporada aos costumes das populações indígenas e afro-brasileiras, a festa de São João brasileira é típica da Região Nordeste. Por ser uma região árida, o Nordeste agradece anualmente a São João, mas também a São Pedro, pelas chuvas caídas nas lavouras. Em razão da época propícia para a colheita do milho, as comidas feitas de milho integram a tradição, como a canjica e a pamonha.

obs – Recorde de junho de 2010 –  Pamonha – Uma pamonha de 650kg, na Festa da Pamonha, na cidade de Cáceres – MT.  “Maior Doce de Pé de Moleque do Brasil”, 15 m de comprimento, 60 cm de largura, 2 cm de altura, 232,6 kg. Piranguinho – MG.

FOGUEIRA – De origem européia, as fogueiras juninas fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão. Assim como a cristianização da árvore pagã “sempre verde” em árvore de natal, a fogueira do dia de “Midsummer” (24 de Junho) tornou-se, pouco a pouco na Idade Média, um atributo da festa de São João Batista, o santo celebrado nesse mesmo dia. O formato da fogueira varia,  na festa de Santo Antonio, as lenhas são atreladas em formato quadrangular; na de São Pedro, são em formato triangular e na de São João possui formato arredondado semelhante à pirâmide.  Quanto mais alta, maior é o prestígio de quem a armou.

Recorde de fogueira – 2010 – Na cidade de São João no Paraná, a qual atingiu 62,2 metros, superando o recorde de 59,2 metros que pertencia ao município de Jateí – MT.

PARA CRIANCAS CATOLICAS – Uma lenda católica afirma que o antigo costume de acender fogueiras no começo do verão europeu tinha suas raízes em um acordo feito pelas primas Maria (mãe de Jesus) e Isabel. Para avisar Maria sobre o nascimento de São João Batista (nasceu em 24 de junho 7 A.C., e morreu em 29 de agosto do ano 31 d.C., na Palestina) e assim ter seu auxílio após o parto, Isabel teria de acender uma fogueira sobre um monte. Por isso costuma ser acesa às 18h, hora da Ave Maria.

Relações Sociais e o compadrio – A importância desses festejos está relacionado com a forma de sociabilidade que foi característica da sociedade brasileira. Desde o período colonial até meados do século XX, a maioria da população de todas as regiões do Brasil vivia no campo (até 1950, 70% da população brasileira vivia na zona rural; hoje, mais de 70% vive nas cidades). Eram colonos e agregados das fazendas agrícolas,  vaqueiros,  pescadores, seringueiros na Amazônia, sitiantes, os brasileiros viviam integrados em grupos familiares. As relações familiares eram complementadas pela instituição do compadrio, que servia para integrar outras pessoas à família. Havia duas formas principais de tornar-se compadre: uma  pelo batismo; a outra, por meio da fogueira. Nas festas de São João, os homens formavam duplas de compadres de fogueira: ficavam um de cada lado da fogueira e deveriam pular as brasas dando-se as mãos em sentido cruzado.

QUADRILHA – Adaptação de uma dança da nobreza européia (quadrille –para quatro pares ), muito presente nos salões franceses entre o final do século XVIII e a primeira Guerra mundial. Ela se desenvolveu a partir de uma dança inglesa surgida provavelmente no século XIII, que se popularizou por toda Europa no século XVIII.   A “quadrille” veio para o Brasil seguindo o interesse da classe média e das elites portuguesas e brasileiras do século XIX por tudo que fosse a última moda de Paris.   Se popularizou no Brasil e se fundiu com danças brasileiras pré-existentes e teve subseqüentes evoluções . Ainda que inicialmente adotada pela elite urbana brasileira, teve o seu maior florescimento no Brasil rural, e se tornou uma dança própria dos festejos juninos.   A quadrilha, “em nome da cultura”, foi sistematizada e divulgada por associações municipais, igrejas e clubes de bairros, sendo também defendida por professores e praticada por alunos em colégios e escolas, na zona rural ou urbana, como sendo uma expressão da cultura cabocla e da república brasileira.

DANCA DAS FITAS, no sul, trazida pelos Portugueses e Espanhóis é o que mais anima a festa.

INSTRUMENTOS MUSICAIS – Acordeão, pandeiro, zabumba, violão, triângulo e  cavaquinho.  Não existe uma música específica que seja própria a todas as regiões. A música é aquela comum aos bailes de roça, em compasso binário ou de marchinha, que favorece o cadenciamento das marcações. O forro acabou por se enraizar nos festejos. Entre os compositores e cantores mais famosos, destaca-se o pernambucano Luiz Gonzaga.

CASAMENTO – Esse ritual matrimonial  liga-a às festas de São João européias que também celebram aspirações ou uniões matrimoniais. O ritual que aborda de forma bem humorada a instituição do casamento e as relações pré-nupciais e suas conseqüências. Juntamente com a fogueira junina constituem os dois elementos mais presentes nas diferentes festas de São João da Europa.

FOGOS DE ARTIFICIO – utilizados na celebração para “despertar” São João e chamá-lo para a comemoração de seu aniversário. Na verdade os cultos pirotécnicos são de origem portuguesa, eles acreditavam que o estrondo de bombas e rojões tinha como finalidade espantar o diabo e seus demônios na noite de São João.

LENDA DAS BOMBINHAS- Diz a lenda, que o pai de São João, Zacarias, andava muito triste por não ter filhos. Certa vez, um anjo apareceu à frente de Zacarias e anunciou que ele seria pai. A alegria de Zacarias foi tão grande que ele perdeu a voz desse momento em diante. No dia do nascimento do filho, perguntaram a Zacarias como a criança se chamaria, e ele respondeu “João” e a partir daí recuperou a voz. Todos fizeram um barulhão enorme. Foram vivas para todos os lados. Vem daí o costume das bombinhas.

BALOES – O costume de soltar balões surgiu da idéia de que eles levariam os pedidos dos devotos aos céus e a São João. Essa prática foi proibida devido ao alto risco de os balões provocarem incêndios.   O padre jesuíta Bartolomeu de Gusmão e o inventor Alberto Santos são figuras ilustres entre os brasileiros por soltarem balões por ocasião das festas juninas de suas épocas.  Essa brincadeira virou crime em 1965, segundo o artigo 26 do Código Florestal. Também está no artigo 28 da lei das Contravenções penais, de 1941.
Todos os cultos das festas juninas estão relacionados com a sorte. Por isso os devotos acreditam que ao soltar balão e ele subir sem nenhum problema, os desejos serão atendidos, caso contrário é um sinal de azar.

ROUPAS – As roupas ‘caipiras’ são uma clara referência ao povo campestre, que povoou principalmente o nordeste do Brasil e muitas semelhanças se podem encontrar no modo de vestir ‘caipira’ tanto no Brasil como em Portugal.

OBS – Não estariam as festas juninas contribuindo para formar uma imagem negativa de nosso povo da zona rural? Qual criança se espelharia num típico caipira das quadrilhas de festas juninas principalmente do Sudeste? em que o caipira e um homem do campo, com as roupas remendadas, desdentado, andar torto, com pronuncia errada, barba por fazer, botina velha e furada…

DECORACOES – Tiveram o seu início em Portugal com as novidades que na época dos descobrimentos os portugueses levavam da Ásia, como os enfeites de papel, balões de ar quente e pólvora. Na cidade do Porto em Portugal ainda costuma soltar balões. Hoje a decoração do São João busca uma idéia com utensílios bastante simples, rústicos, trazendo elementos que costumamos usar no dia-a-dia, como peneiras, chapéus e outros objetos de palha, chita como toalha de mesa, almofadas, folhagens, etc..

SIMPATIAS, SORTES, ADIVINHAS – Moças solteiras, desejosas de se casar, fazem inúmeros rituais para conseguirem “desencalhar”. Os objetos utilizados nas simpatias e adivinhações devem ser virgens, ou seja, estar sendo usados pela primeira vez, senão… a simpatia não funciona!

POVO FELIZ – Na tradição brasileira, as maiores festas são Natal, Páscoa e São João. As comemorações de cunho religioso foram apropriadas de tal forma pelo povo brasileiro que ele transformou o Carnaval — ritual de folia que marca o início da Quaresma, (da quarta-feira de Cinzas ao domingo de Páscoa) em uma das maiores expressões festivas do Brasil no decorrer do século XX. Depois do carnaval,  São João é segunda maior festa comemorada no Brasil, e a festa de  São João do Brasil é a  maior do mundo.

 Em 2010,  O Maior São João do Mundo organizado em Campina Grande durante 31 dias, de 4 de Junho a 4 de Julho. A grande novidade do ano será a realização da festa em 2 espaços simultaneamente, no Parque do Povo e no  Parque Evaldo Cruz que ficam lado a lado, fazendo com que assim, a festa ocorra num espaço de 80.000 metros quadrados, e se o Brasil for finalista da copa, a festa será estendida por mais uma semana.

Curiosidade – A primeira capela levantada em Campina, no ano de 1702, foi sob o orago (invocação) de São João Batista para a catequese dos índios Ariús, onde hoje está a Catedral Nossa Senhora da Conceição.

- Liverpool não nos deu só os Beattles. Frank Hornby–Um dos mais importantes produtores de brinquedos de metal do séc. XX. (Meccano)

Frank Hornby  (1863 /1936) inventor Inglês, empresário e político, desenvolveu e fabricou 3 dos mais populares brinquedos do século XX:  Meccano (1901) , Trens Hornby , e Dinky Toys .   

Hoje vou falar do Meccano!  Tudo começou em 1898, numa pequena loja em Liverpool. Hornby inventou um jogo de construção para seus filhos com parafusos e porcas, isso deu origem ao sistema Meccano. Em 1901, Frank Hornby, patenteou o brinquedo chamado “Mecânic Made Easy”, baseado nos princípios da engenharia mecânica.   

O nome Meccano foi registrado em 1907. (“Meccano” é derivado das palavras “Make and Know“), e se tornou um dos brinquedos de montar mais populares, entre as décadas de 30 à 50. Meccano (assim como Gilbert Erector – USA) simula construções, utilizando um sistema padronizado de partes de metal reutilizáveis, incluindo tiras perfuradas, longarinas, rodas, hastes, chapas, vigas, polias, roda dentada para corrente, engrenagens, eixos de movimento, partes elétricas, motores, e muitas outras partes especializadas, encontradas em mecanismos reais, anexadas umas as outras com parafusos e porcas, usando somente uma chave de fenda e uma chave de rosca.  As variedades de peças permitem a construção de modelos em escala, de mecanismos simples até complexos “Supermodelos”.    De uma só caixa vc podia construir trem, ou automóvel, navio, ônibus, caminhão, limpador de neve, locomotiva de passageiro, trator, etc… 

Em 1902, cada jogo tinha apenas 16 partes diferentes com a uma folha com detalhes de construção para 12 modelos. Em 1903, 1.500 kits foram vendidos ainda sem lucros. Seu chefe foi por pouco tempo, seu sócio capitalista.   

Em 1907 Hornby abriu a primeira fabrica em Liverpool, onde fabricava suas próprias peças . A Meccano foi fundada em 1908.   

Em 1912 a Meccano já exportava para vários países, inclusive USA.  Hornby e seu filho, Roland, fomaram a Meccano Ltda na França, e na Alemanha, no início em parceria com a  Marklin, que manufaturava Meccano sob licença e vendia os motores a corda dos Kits.     

Em 1913  A.C. Gilbert, seu maior concorrente, depois parceiro,  lança nos EUA o Erector Set.   

Fabrica Meccano 1932 (acervo Museu de Liverpool)

Fabrica Meccano 1932 (acervo Museu de Liverpool)

A nova fabrica de Liverpool em 1914 tornou-se  a principal por 60 anos. A nova fabrica da França, em Calais, construída em 1959, continua a ser o principal local de fabrico da Meccano.   

Os Mecccano que foram produzidos nos USA nos anos de 1930 – 1938 eram freqüentemente chamados de Meccano Americano, conhecidos hoje por sets Gilbert–Meccano.   

A II Guerra Mundial interrompeu a produção de Meccano, na Inglaterra, e a fabrica foi convertida para produtos bélicos. A Guerra da Coréia , em 1950 também interrompeu a produção devido a escassez e o encarecimento do metal. A produção voltou ao normal com a adição de novas peças para todos os conjuntos e novos materiais. (Gilbert conseguiu que sua fabrica ficasse aberta nos EUA durante a II Guerra – clique e veja Post – O Homem que salvou o natal  

A fabrica original da Meccano, na Inglaterra fechou nos últimos anos de 1970’s, mas a Meccano continua a ser manufaturada até hoje em sua fabrica em Calais, Franca, e na  China. Meccano é o único fabricante francês de brinquedos que são reconhecidos internacionalmente.   

 A Nikko Toys do Japão adquiriu 49% da Meccano em 2000,  e assumiu a comercialização internacional. Desenvolvimento e design permaneceu com os 51% de Meccano SN, com base em Calais, França. A Nikko acrescentou no sistema controle programável de rádio e eletrônica, e lançou novas séries bem sucedidas. Nikko vendeu a sua participação na Meccano e sistema para Meccano SN, a matriz francesa, em agosto de 2007.   

Em 2008 a Meccano lançou uma linha de produtos robótico chamado Spykee.
Foi o primeiro robô “construa você mesmo” controlado pelo computador ou via Wi-Fi em qualquer lugar do mundo através da Internet. Spykee tem webcam, microfone, alto-falante e dois motores. Ele pode se mover, ver, ouvir, falar, tirar fotos, gravar vídeos, etc pode detectar intrusos e pode reproduzir música digital. Quando a bateria fica baixo, Spykee retorna à sua base de recarga por si só.   

PATENTE - Por ser o primeiro brinquedo que fazia construções em metal com êxito, o Meccano teve muitos imitadores e concorrentes ao longo dos anos.  A patente original já expirou, mas a palavra Meccano ainda é uma marca registrada da França.             Com o Erector ® marca para o mercado americano, e Meccano ® para o resto do mundo, o grupo tem uma presença em mais de 80 países.   

No entanto, os fabricantes alemães de brinquedos como “Richter’s Anchor Stone Building Sets” e  “Bridge Set” (de 1895)”inclui algumas partes Meccano que antecederam a patente de 1901. Outros fabricantes como Bing e Marklin (que por um tempo trabalhou sob licença), também produziram séries Meccano e competiram com ele.   

Hoje na Alemanha a Metallus fabrica o Meccano. Um dos sets é o  “Construction set ‘Berlin’, com 2491 partes. Custa 600 euros.   

estrela

estrela

A Estrela fabricou no Brasil o Mec-Bras, o meccano brasileiro, na década de 50.   

A Exacto Ltd., em Buenos Aires, Argentina, por muitos anos produziu sob licença peças Meccano. Depois da fábrica de Liverpool Road Binns faliu, as coisas mudaram e “Meccano argentino” foi renomeado como “Exacto”. Eles também fabricam muitas peças que são extensões do sistema Meccano.   

No Brasil hoje tem um brinquedo um pouco similar,  o Modelix.   

Muitas peças foram introduzidas desde a fábrica de Liverpool,  sob a gestão francesa e japonesa da empresa. Estes incluíram peças de plástico, engrenagens, motores elétricos e caixas de bateria. Muitos puristas relutam em aceitar as novas peças que não são originais Meccano.  

Existem Clubes Meccano com milhares de entusiastas  espalhados no mundo inteiro desde a década de 30.  A Sociedade Internacional de Meccanomen  fundada na Inglaterra  possui cerca de 600 membros em mais de 30 países. 

Revistas periódicas e publicações dedicadas integralmente ou em parte sobre Meccano foram editadas de  1916-1981,  sobre como construir modelos e maquinas grandes e complexas. Atualmente são centenas de sites com história, instruções de construção e nostalgia. Pessoas  e empresas em todo o mundo continuam a fabricar réplicas de várias partes, alguns há muito tempo fora de produção.  

 Todos mês de julho, em Skegness, na Inglaterra tem a Exposição anual  Meccano, que até hoje é um sucesso. 

O maior meccano já  construído é uma roda gigante, feito por Meccano SA em França em 1990. Ela foi remodelada de acordo com a original de 1893 . Foi enviado aos Estados Unidos para promover o “Meccano Erector”, após   Meccano ter comprado nome comercial  “Erector” , em exposição no St. Augustine, Museu da  Flórida. O modelo tem 6,5 metros  de altura, pesa 544 kg , foi feita a partir de 19.507 unidades, 50.560 porcas e parafusos, e teve 1.239 horas para construir.   

Estudantes de engenharia da Universidade de Liverpool  construíram uma ponte para com cerca de 100 mil peças de Meccano, e  levou 1.100 horas para construir. A ponte vai avançar  nove metros,  como uma porta de fechamento do canal de Liverpool, e uma seção de 12 metros caindo como uma ponte levadiça.
A construção foi filmada, e apareceu no , “James May’s Toy Stories ‘, que faz construções em tamanho real com alguns dos brinquedos mais amados da Grã-Bretanha. 

 NÃO SE FAZEM MAIS BRINQUEDOS COMO ANTIGAMENTE – O americano professor doutor Harold Kroto, laureado com o Premio Nobel de Química em 1996, (confessa que ganhou o Nobel por brincar com Meccano na infancia) , há muitos anos advoga que só o investimento no desenvolvimento cientifico poderá solucionar questões prementes como o problema energético, e o controle de recursos naturais. Kroto instiga a sociedade civil a investir no desenvolvimento das capacidades cognitivas de suas crianças e jovens, apelando ao retorno do uso do jogo Meccano, em detrimento de outros jogos de montar.   

modelo DSG de transmissão Meccano

modelo DSG de transmissão Meccano

 “Os novos brinquedos conduziram a extinção do Meccano, e as novas gerações deixaram de desenvolver as suas capacidades, os seus dons, de engenharia, minorando a possibilidade de se tornarem cientistas”, o Meccano constitui um verdadeiro kit de aprendizagem da engenharia, estimulando na criança a sensibilidade para construir estruturas. Muitas crianças seguiram os caminhos da engenharia despertadas pelo Meccano   

O FILME - A Meccano pela primeira vez licenciou os direitos de filmagem para seus brinquedos numa parceria com a Helix Films, em Los Angeles, para desenvolver um filme original em 3D baseada na marca Erector Set de (Brinquedos de construção). Existe a  intenção da criação de uma  franquia para televisão e games. Os 3 socios da Helix films cresceram brincando com Meccano, cada um num pais diferentes Kevin Foo na Austrália, Noortas Gaukhar no Cazaquistão e Steven-Charles Jaffe (” Ghost “,” Star Trek IV “,” Strange Days “) e seu irmão Robert nos Estados Unidos, assim a parceria tem um lado mais emocional e pessoal.   

O filme Meccano / Erector é sobre a criação de brinquedos educativos que permitam a crianças e adultos  imaginar e criar um mundo completamente novo, como o sistema de brinquedo Erector fez ao redor do mundo por quase cem anos.”

– Aniversário de 70 anos de mais um companheiro nosso de infância- Dumbo, e tem presente!!

O resgate do passado nunca foi tão valorizado como na atualidade.  As produções antigas estão voltando a ser algo de destaque e combinadas com a tecnologia, passam a terem valores complementares de história para as crianças.

Dumbo,  é um dos que estão nessa série retro, fazendo 70 anos no próximo dia 09 de junho. A sua primeira animação foi produzida em 1941 pela Walt Disney Animation Studios, uma das obras primas mais maravilhosa. Ganhou um “Oscar” com a trilha sonora (Baby Mine), e premio de melhor desenho animado no Festival de Cannes de 1947. Baseado na obra de Helen Aberson e Harold Perl, foi o quarta longa metragem de animação do estúdio.

Conta a história de um elefantinho que, por ter orelhas enormes é humilhado num circo, e é motivo de gozação dos palhaços.  Separado da mãe, conta com a ajuda do seu único amigo, o tagarela ratinho Timóteo, (conceito cômico, parodiando o medo estereotipado dos elefantes para ratos, e inspirado no grilo falante do Pinóquio) e vira atração quando descobre que pode voar ao abanar as orelhas. Na verdade, trata-se de uma variação da fábula do patinho feio, elaborando o tema do preconceito.

O sucesso esmagador de “Branca de Neve” (1937) mostrou a Walt Disney que longas-metragens animados podiam ser muito, muito lucrativos. Os dois filmes seguintes, contudo, lhe deixaram em situação financeira difícil.”Pinóquio” e “Fantasia” (1940)  deram muito prejuízo à empresa. Endividado, Disney decidiu fazer um desenho animado mais simples, bem comercial, capaz de ser produzido em alguns meses e com pouco dinheiro, custou US$ 812 mil (e lucrou mais de $1,5 milhões em seu lançamento original). As paisagens foram pintadas com aquarela  e encurtaram  a duração para 63 minutos. (Dumbo e Branca de Neve e os sete anões (1937) são os únicos filmes clássicos da Disney a utilizarem cenários pintados em aquarela).

 Walt Disney  conheceu a historia quando comprou um livro infantil em 1939,  baseado em apenas 8 desenhos e algumas poucas linhas de texto, entregou o projeto para  Joe Grant e Dick Huemer. Uma das maiores sacadas do filme foi investir maciçamente na linguagem corporal,  o elefantinho Dumbo não fala uma única palavra, comunicando os sentimentos – tristeza, medo, felicidade, por meio de expressões. É o único filme da Disney em que o protagonista não diz uma única palavra.  A Sra Jumbo (a mãe de Dumbo) tem uma fala durante todo o filme: diz o nome original de Dumbo (Jumbo Jr.) para a Cegonha.

Vladimir “Bill” Tytla, um dos animadores, se baseou nas expressões de seu filho de 2 anos, Peter, para criar os gestos e expressões puras e inocentes do personagem.  (Bill animou também o personagem Dunga só com expressões)

Originalmente, DUMBO seria apenas um featurette de cerca de 20 minutos. Quando Walt viu o que seus artistas haviam criado, ele adorou, e decidiu que seria um longa-metragem. Ao final, DUMBO seria o animado de maior sucesso do estúdio até CINDERELA em 1950.

 PRESENTE

 Para comemorar 70 anos, o filme vai ganhar uma edição especial em DVD e em Blu-Ray, que começa a ser vendida no Brasil no dia 9 de junho.   Nos “extras” do filme tem uma entrevista com Walt Disney, em que ele confessa que Dumbo é sua  história preferida. Além de trailers dos antigos filmes, tem um making off do brinquedo Dumbo no Parque da Disney.

 ESTUDOS DE HARVARD

 Dumbo é um dos desenhos que consta de um trabalho recente feito nos Estados Unidos, divulgados pelo Harvard Center for Risk Analysis, pelos pesquisadores Fumie Yokota e Kimberly Thompson.
– De acordo com o estudo, a cena em que o elefante usa a tromba para ‘metralhar’ com amendoins os amigos que o importunam, pode passar subliminarmente a mensagem de que é certo reagir a uma gozação com violência.  Por incrível que pareça, o estudo e os  nomes são verdadeiros.

ANALISTAS ESQUERDISTAS DE PLANTÃO

O filme contém a primeira seqüência surreal da Disney, “Pink Elephants on Parade”, que se trata do sonho de Dumbo com elefantes coloridos depois de beber champagne. Tem muita gente que  acha tudo isto muito estranho, não é minha opnião!!!!

Os corvos foram criticados através dos anos por serem vistos como caricaturas de pessoas negras.                        Rumores dizem que a versão do filme que conhecemos hoje, com 63 minutos, se trata na verdade de uma versão editada da original. Algumas cenas com os corvos teriam sido supostamente cortadas por problemas raciais, já que os mesmos foram considerados estereótipos negativos dos negros. Essas cenas incluem os corvos atuando como um coral grego e comentando os eventos. Aparentemente ninguém recorda o material original

CURIOSIDADES:

- A fala do rato Timóteo “You know, lots of people with big ears are famous” (Você sabe, várias pessoas com orelhas grandes são famosas) refere-se a Clark Gable, rei das telas da época que era bem conhecido por suas orelhas.

- DUMBO deveria aparecer na capa da revista “Times”, mas um dia depois do atentado à Pearl Harbor, a foto do japonês General Yamamoto tirou o filme da capa.

- O nome do circo de Dumbo é Circo WDP- sigla de Walt Disney Productions.

- O filme é contado do ponto de vista de Dumbo, usando lentos movimentos de câmera.

- Durante a produção ocorreu um longo piquete em que metade dos artistas do estúdio entraram em greve. Alguns dos grevistas são caracturizados como palhaços que “vão pedir aumento ao patrão”.

- Devido às dificuldades financeiras de Walt Disney,   o estúdio acabou perdendo muitos de seus maiores artistas, que fizeram parte dos  filmes dos anos 30.

- Dumbo ficou pronto em 16 meses- seis meses em desenvolvimento e um ano para animação. Feito com um número mínimo de erros, pois Disney sabia o que queria e  conseguiu partilhar, a  história era clara para todos envolvidos no projeto. Não houveram seqüências começadas e então descartadas, como em PINÓQUIO.

- As células de acetato de DUMBO são as mais raras da indústria. Os animadores, depois da cena já ter sido filmada, costumavam espalhar as células pelos corredores e escorregar nelas. Além disso, a tinta cinza usada para pintar as peles dos elefantes costumava sair quando a célula era dobrada. Muitas células acabaram destruídas dessa maneira

- Dois dos palhaços do circo chamam-se Frank e Ollie, em  homenagem à dois dos “Nine Old Men” (o grupo dos nove animadores favoritos de Walt): Frank Thomas e Ollie Johnston.

 – O primeiro trabalho da atriz Verna Felton para a Disney foi como a voz da Elefanta Matriarca em DUMBO. Depois Verna  fez vozes de personagens como a Fada Madrinha de CINDERELA, a Rainha de Copas de ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS e a fada Flora de A BELA ADORMECIDA.

- Apesar de Disney dizer que DUMBO era um dos favoritos de Walt Disney, acreditam que foi simplesmente o mais divertido e de mais fácil produção em que ele trabalhou. DUMBO fez mais sucesso que os outros em que Disney estava particularmente mais envolvido – PINÓQUIO e FANTASIA. Na produção de DUMBO,os melhores e mais bem pagos artistas do estúdio estavam trabalhando em BAMBI, que seria a grande demonstração para o público do que o estúdio era capaz de fazer. Portanto, a animação de algumas cenas de Dumbo acabaram saindo um pouco mais “cruas” do que de costume.

 Mesmo sendo um dos mais econômicos, DUMBO é considerado um dos melhores clássicos do estúdio Disney.

A cena inusitada do filme abaixo trata-se de um anúncio da IFAW (International Fund for Animal Welfare), que tenta sugerir de forma divertida que se os animais quisessem vir conosco, eles viriam por seus próprios meios. Anúncios como esse estão sendo feitos para tentar impedir que turistas americanos e europeus comprem produtos feitos a partir da fauna de outros países, como o Brasil e nações da África.

– Brincar é um ato de sobrevivencia humana?

Assim como a sensação universal de que as viradas de ano significam que tudo vai melhorar na sua vida, muitas outras superstições ajudaram seus “avós” a sobreviverem recebendo informações importantes através de brinquedos e brincadeiras quando ainda eram crianças.

alçapao de passaros

alçapao de passaros

 Por volta de 11.000 a.C,  muito antes da escrita, com a caça indiscriminada e um miniaquecimento, a escassez de presas para a alimentação do homem foi uma crise global. Apesar de cada tribo viver suas dificuldades em tempos diferentes, todas tiveram a mesma idéia, de cultivar a terra.

Os que conseguiram definir um calendário, observando a posição das estrelas e a trajetória do sol ao longo do ano, conseguiram sobreviver. Sim, as 12 constelações do zodíaco já eram conhecidas naquela época, e também eram consideradas uma divindade, pois o homem naquele tempo já acreditava em algo além da vida, que os unia em torno de crenças e ritos espirituais. 

Cada geração tinha que transmitir para suas crianças  estratégias dos jogos básicos da vida, de defesa, de caça, e os momentos mais especiais do ano, de semear, colher, quando estocar comida, e momentos de comemorar a sobrevivência humana..

Além das histórias, brinquedos confeccionados com madeira, ossos, couro, pedras, sementes, sabugo, barro, ajudavam a registrar a sabedoria conquistada.

Os brinquedos de antigamente eram criados para passar uma realidade de adulto, preparando a criança para sua profissão futura ou dar continuidade na profissão da familia.  O brinquedo é fonte de assimilação, mas tem de ser repassado e orientado.

A  linguagem que melhor se enquadra no perfil compreensivo da criança é a lúdica.  Alguns ensinamentos são vitais, outros morais, alguns divertidos.

Essas crianças davam continuidade a esse processo de sobrevivência, aperfeiçoando, e passando informações para as novas gerações. Era importante as crianças estarem informadas, pois eram absolutamente imprevistos os ataques de invasores e epidemias.

Na História antiga é difícil precisar quando brinquedos como o ioiô, pipa, bumerang, jogos, bonecas, e outros deixaram de ser usados como instrumentos de guerra, caça, ou rituais para se transformar em ferramentas de diversão ou educacional, pois ha muito tempo perceberam o poder que o brinquedo tem na transferencia de conhecimento.                                                                                                               

 Uma criança que  brinca de cavalinho não está se preparando para ser jóquei, apenas entra em contato com uma nova  realidade e, vivencia ativamente novas experiências, despertando para novos  horizontes, expandindo e fundando mundos, desafiando o tempo nos mais elevados sonhos.

barco com musicos

barco com musicos

Não podia deixar de citar os trabalhos recentes de  Al-Jazari (1.136 – 1.206), engenheiro árabe considerado o Da Vinci da era de ouro Islâmica. Ele foi o primeiro projetista de um robô,  criou vários autômatos em forma de brinquedos, entre eles,  uma banda de robôs que tocava música em cima de um barco,  uma garçonete que servia chás, e uma maquina automática para lavar as mãos,

maquina automatica de lavar as mãos

maquina automatica de lavar as mãos

 demonstrando ritmos e padrões musicais; princípios de educação e higiene. Desenvolveu alguns relógios com motivos lúdicos e despertadores movidos à água e a vela (se conhecia a taxa de queima).

Construiu também o “castlle clock”, maior relógio astronômico, de 3,4 metros, com funções, além do tempo, do zodíaco, das orbitas solar e lunar, e um ponteiro com Lua crescente, que a cada hora revelava um bonequinho. Havia também 5 autômatos musicais que tocavam automaticamente acionados por uma rodas de água e dois autômatos em forma de falcão soltando bolas em vasos.

A linha que separa o lúdico do sério às vezes é até imperceptível, mas a vantagem da transferência de conhecimento através do “mundo do faz de conta” com divertimento e alegria, é inegavelmente mais eficaz.

– O lado vermelho dos doces e frágeis Smurfs

Os Smurfs (Estrumpfes, ou Les Schtroumpfs em francês) foram criados em 1958, pelo belga Pierre Culliford, conhecido como Peyo. Eles eram apenas coadjuvantes de uma das história de quadrinhos, do Le Journal de Spirou, da Bélgica. Tratava de aventuras da Idade Média de um cavaleiro chamado Johan e de seu escudeiro anão Peewit , até que um dia eles encontraram os Smurfs. Eram criaturinhas azuis, semelhantes a duendes, que tinham estatura comparada a 3 maçãs empilhadas. A partir de 1959 passaram a ter sua própria série de quadrinhos, fazendo mais sucesso que seus antecessores. 

Pierre Culliford, Peyo.

Pierre Culliford, Peyo.

No começo nem tinham nome, e num almoço com seu amigo cartunista, André Franquin, esqueceu momenteneamente o nome “sal”, e para pedi-lo, Peyo brincou : – Passe o  “schtroumpf”, em francês,  e o amigo respondeu –  “estou schtroumpfando o schtroumpf para você”.  Aí nasceu o nome smurf e  a idéia de sua língua própria (é mais fácil falar smurfês que a língua do pê).  A cor azul foi idéia de sua mulher. Eles queriam uma cor que representasse a natureza. Hoje a empresa que administra os direitos autorais dos Smurfs, na Bélgica, é dirigida por sua filha. 

Obs – Segundo a Wikipedia, o verbo “smurfing” virou sinônimo para a ação de deixar alguém “com uma música na cabeça”, pela repetição dos versos. 

Apesar de ter alguns curtas de animação em preto e branco na década de 60, somente em 1981 foram trazidos para a televisão por Fred Silverman, diretor da NBC Network, nos EUA, e depois Hanna-Barbera transformou os Smurfs em uma série de desenho animado.  Rapidamente se transformaram num clássico dos desenhos infantis no mundo, reinando absoluto no mundo infantil. (421 episódios produzidos,  muitos prêmios Emmy faturados e inspirou outro desenho: os Snorks). No Brasil, na década de 80 eram retransmitidos pela Rede Globo,  no balão Magico e no Show da Xuxa. 

 “Os Smurfs”  inspiraram mais de 3 mil produtos como bonecos, jogos, parques temáticos, alimentos e discos, e venderam mais de 25 milhões de livros traduzidos para 25 idiomas. 

Em comemoração aos 50 anos dos Smurfs em 2008, eles ganharam da Bélgica  uma série de moedas de 5 euros com uma figura de smurf, uma série de selo comemorativo e  uma exposição em Bruxelas, “Lar dos Smurfs”.  Teve também o  lançamento de um novo livro,  refletindo algumas mudanças do mundo, como a valorização da mulher . Além disso, foram espalhados milhares de estatuetas de smurf  por 20 cidades de 14 países da Europa, deixadas em lugares inusitados como ponto de ônibus , filas do correio,  escolas, etc, pela empresa International Merchandising, Promotion & Services (IMPS), empresa belga que administra os direitos autorais dos Smurfs. A Bélgica já comemora o “Dia Feliz Smurf “ todos os anos. 

Além de tudo isso, o projeto mais importante para “Os Smurfs” é um longa de animação 3D, com intenção de que seja uma trilogia.  Está sendo gravado pela  Sony Pictures, em Nova York . No elenco Neil Patrick Harris,  Hank Azaria, Katy Perry e Alan Cumming, entre outros. O longa é dirigido por Raja Gosnell (Nunca Fui Beijada, Scooby-Doo e Scooby Doo 2) , e O roteiro de J. David Stem e David N. Weiss, dupla de Shrek 2 e 3. Estréia prevista para agosto de 2011, no 53 aniversário dos personagens. 

Hank Azaria

Hank Azaria

Em ‘Smurfs – O Filme‘, o mago Gargamel persegue os smurfs, que deixam a floresta por meio de uma feitiçaria e acabam parando no Central Park, em Nova York.

Os smurfs, apesar de serem em maior numero,  são como os 7 anões da Branca de Neve, cada um tem sua característica especifica de personalidade, como  Robusto, Preguiça, Gênio (sempre grandes idéias pra fugir de Gargamel), Desastrado, Apaixonado (adivinhe por quem?) , Pintor, Brincalhão (com seus presentes explosivos)  Poeta, Resmungão, Harmonia (o mais desafinado de todos) , etc.   

A única personagem feminina na maioria dos episódios, a Smurfete, (Estrumpfina) foi criada por Gargamel para ser usada de isca, mas passou para o lado dos smurfs numa mágica do Papai Smurf, que a transformou na mais charmosa e adorada de toda a Vila (na Vila só entra quem for convidado). Agora já aparecem mais figuras femininas tanto no livro quanto no filme. (Smurfete é até um dos personagem da excelente peça de teatro no Brasil – Cada um com seus  “pobremas” de Marcelo Médice). 

Gargamel (Gasganete) é um feiticeiro e alquimista perverso que persegue os smurfs , no inicio para devorá-los, depois descobriu uma fórmula que com  6 deles consegue obter ouro, mas depois de tantas falhas, a simples vingança já é motivo suficiente.   

 Eles são governados pelo grande Smurf ,  ou Papai Smurf (Estrumpfe), que tem um barrete vermelho. Papai smurf tem 550 anos, enquanto os smurfs tem aproximadamente 100. 

TEORIAS CONSPIRATÓRIAS 

Smurfs  para adultos – Alguns paranóicos que já passaram da fase de ficar assistindo desenho animado, vêem o desenho não com olhos tão inocentes……. 

 O desenho foi publicado pela primeira vez no auge da Guerra Fria, quando a decadência do regime soviético ainda não era iminente, e alguns comentaristas políticos nos anos 80 o viam como uma propaganda comunista. Muitos estudos tratam do “comunismo azul” reinante na Vila, e não faltaram argumentos tentando comprovar o caráter marxista da obra . 

De acordo com a teoria, a comunidade divide fraternamente tudo o que produz, não há propriedade privada na Vila, não dão valor ao dinheiro, (nem tem moeda), a terra e os instrumentos são de todos, não há classes sociais, eles são iguais, a despeito da atividade que desempenham ou de suas habilidades intelectuais e vestem o mesmo tipo de roupa (calça e touca branca), exceto o seu líder. Ele veste as mesmas peças, mas na cor vermelha.  Seus inimigos, (opositores)  o vilão ganancioso Gargamel e Cruel, o gato, representam o imperialismo, alegoria ao EUA.  A vontade de dominar os “mais frágeis”, e transformá-los em ouro seria uma clara alusão a coisificação das pessoas, inerente ao capitalismo.  A palavra S.M.U.R.F. = Socialist Men Under Red Father/ Homens Socialistas sob o comando do “Papai Vermelho”.   

Há pessoas que levam essa “semelhança” tão a sério que chegam a afirmar que o desenho é uma criação do governo soviético, na intenção de infiltrar seus ideais no seio da sociedade americana antes de invadir os EUA. Dão graças a Deus, inclusive, pela criação dos Comandos em Ação…  Dizem até que  se Lênin tivesse imaginado o poder de propaganda desses personagens, teria incluído mais um “S” na sigla da União Soviética: URSSS – União das Repúblicas Socialistas Soviéticas dos Smurfs! 

O delírio nao para por ai, associam o Papai Smurf à Karl Marx, de farta barba branca e vestido de vermelho, (talvez  seja inspirado no Papai Noel?).  Quando  perceberam a falta de Padre Smurf e de igrejas na Vila (ou sinagogas ou mesquitas, etc),  concluiram que assim como os marxistas, os smurfs são ateus, só acreditam na força da natureza.  O Gênio à Trotsky, ja que sua sabedoria se assemelha a de Papai Smurf, e frequentemente ele é ridicularizado e ejetado da Vila. Trotsky foi banido da União Sovietica em 1929. A comparação continua, associam o Bebê Smurf ao Che Guevara, pois ele é um “ deslize” do papai Smurf com a Smurfette (criada por Gargamel para seduzir os Smurfs),  ou seja, resultado da união entre o socialismo e o capitalismo. 

Ainda tem a versão de outros paranóicos de plantão, aqueles que falam que o Batman e Robin são gays, a mulher maravilha é lésbica, Olivia anoréxica-bulímica, o Popeye viciado a serviço da marinha, o Salsicha maconheiro, etc.. Segundo eles,  Gargamel seria um viciado em LSD e chá de cogumelo (os Smurfs moram em cogumelos) que, em seus delírios, vê homenzinhos azuis.   Os Smurfs vivem em uma comunidade gay,  só existiam homens até que Gargamel em maior exemplo de seu delírio é que ele mesmo “conseguiu criar um Smurf” (a Smurfete), mas, em vez de criar outros e usá-los para seus fins, prefere mandar a criatura embora para descobrir onde estão aqueles que nunca consegue capturar… Por fim, Gargamel é ainda sádico, pois adora abusar fisicamente e psicologicamente de seu gato, Cruel. 

Acha que acabou? Outra teoria diz que a série, é uma propaganda do regime nazista e os Smurfs, pertencentes à Ku-Klux-Klan.  As evidências são quase delirantes: primeiro, o Papai Smurf e o Grande Dragão, forma pela qual os líderes da KKK são conhecidos: ambos usam um chapéu pontiagudo vermelho e seus seguidores usam chapéus pontiagudos brancos, e existem inúmeros episódios em que os pequeninos seres azuis dançam em torno de fogueiras, a exemplo dos membros da Klan.  Gargamel representaria os Judeus, com nariz grande, pele clara,  muito dinheiro e roupa preta. A Smurfete seria o arquétipo de beleza ariana, com os longos cabelos loiros. E para completar o aspecto racista do desenho, os Smurfs, sempre azuis, ficam pretos quando se tornam malvados. Tem  ainda os tratados sobre a vida sexual da Smurfette, que fervilham na Internet……haja imaginação!!!

Conclusão: Tudo que se faz sucesso, se ouve criticas!  Esqueça as conspirações e essas elucubrações mentais. Tive a grande oportunidade de ver um trecho Filme que ainda esta em finalização gráfica nos studios de New York. Para quem ainda gosta de curtir os Smurfs, possui um  olhar infantil e um lado criança dentro de si mesmo, ele esta simplesmente uma D E L I C I A.

Recorde de 3000 estudantes vestidos de smurf num unico lugar

Recorde de 3000 estudantes vestidos de smurf num unico lugar

- Entre nesse Universo: As aventuras, desaventuras, e o Boletim Trilogia Tintim

Tintim, um dos mais famosos e importantes personagens de HQ do século passado, tem no seu portifólio, além de mais de 200 milhões de cópias vendidas, em 50 linguas diferentes, um Museu só dele na Bélgica. A excepcional obra de Hergé, pseudônimo de Georges Remi, além de conquistar cada dia mais tintinofilos espalhados por toda a Europa, aguçou ate a curiosidade de Steven Spielberg que com Peter Jackson que vai dirigir o primeiro filme da trilogia, com animação 3D. 

 Tintim, um jovem repórter católico, com gosto pela aventura, e luta pelo bem em todo o mundo, estreou no jornal belga Le Vingtième Siècle (O Século Vinte), em 12 de Janeiro de 1929 . Seguido para todo o lado pelo seu cãozinho branco Milu, faz uso de toda a sua inteligência para sobreviver às aventuras em que se mete. Com apenas 23 álbuns e um que restou inacabado, conquistou  fama mundial. 

Aventura: Tintim é enviado ao congo, a grande colônia Belga da época. Uma série de peripécias o levam ao reino de Babaorom, ele torna-se o feiticeiro renomado, confronta um bando de gangsters do Al Capone, que quer controlar a produção de diamantes. Lógico que ele consegue os deter e deixa o país pouco depois.   

 Analise – Em 1930, o Congo era um Eldorado para a Bélgica, oitenta vezes maior que o pais que o colonizava, tinha um subsolo extremamente rico. Nessa época, faltava mão de obra. Hergé devia fazer uma propaganda deste país.   

Desaventura - A historia inicialmente foi  publicada entre junho de 1930 a junho de 1031, no Le  Vingtiéme Siecle, depois como álbum preto e branco. No álbum de 1946, Hergé redesenhou quase toda a aventura, agora colorida. Reduz, e altera a ideologia colonialista, assim a lição de geografia e história , em que tintin falava “Vossa patria, a Bélgica”, foi substituída por uma lição de matemática. Hergé afirmou que qdo escreveu  Tintin no Congo e Tintim no país dos Sovietes, ele vivia num meio burguês,  cheio de preconceitos e estereótipos da visão pelos europeus daquela época. Conhecia apenas o que as pessoas contavam. Nesse álbum, os Congolês tem uma pronúncia errada, enquanto os elefantes conversam entre si corretamente. O ajudante de tintin,  negro, é visto como «estúpido e sem qualidades, faz crer que os negros são subdesenvolvidos».  Tintin também  faz um buraco nas costas de um rinoceronte, preenchendo-o com dinamite e explodindo-o (A associação dinamarquesa de defesa dos animais obrigou a retirada dessa parte). “Tintin no Congo” foi acusado, em julho de 2007, pela comissão Britanica para Igualdade de Raças, de conter propósitos racistas. Na frança, grupos anti-racismo incluíram um aviso, assim como as edições britânicas  – “certos estereótipos da época podem chocar os leitores de hoje”. Um estudante congolês  tenta proibir a venda desse álbum na Bélgica desde 2007.             -O alto conselho turco para o audio visual  multou em 50 mil libras a rede de televisao turca TV8  por causa de Haddock, companheiro de TINTIM aparecer num dos capitulos fumando charuto. A lei turca proibe o uso de tabaco em locais publicos e a imagem de fumantes , apesar de o pais ser o 10 maior produtor de tabaco mundial . 

“Os Charutos do Faraó” e “Tintin na América” também foram redesenhados antes de serem coloridos. Herge reconhece que elas refletem  o pensamento católico e burguês, se desculpa pelos pecados da juventude e  defendeu que a obra fosse lida “em seu contexto histórico”. 

O museu - Começou a ser idealizado há mais de 30 anos, está situado na pequena cidade de Louvain-La-Neuve, 30 km de Bruxelas. O arquiteto francês Christian de Portzamparc, foi inspirado na forma de um navio, meio de transporte que possui uma presença marcante nas HQs de Tintin: a estrutura com enormes janelas possui em seu interior quatro prédios multicoloridos interligados por passarelas e elevadores que abrigam as 8 salas-tema que compõem a exposição. Esse é o  único Museu  da Europa dedicado exclusivamente à obra de apenas um autor de HQ, Hergé! 

Espaço Tintin - Casa própria oficial em Lisboa,  com direito a café-Iounge e loja, onde habita, a galeria de inesquecíveis personagens que o acompanharam em tanta aventura: do espevitado cão Milou ao irascível capitão Haddock, do distraído professor Tournesol (ou Girassol) aos impagáveis Dupond e Dupont, da diva Castafiore ao mui luso comerciante Oliveira da Figueira.
O Espaço Tintin ofereceu a Avenida Roma um novo brilho, entre s
ofás e mesa de inspiração marroquina, litografias de pranchas originais de Herge, e , obviamente,  cervejas belgas. No underground, decoração alusiva  ao álbum, O Lótus Azul.  Expõe itens e “memorabilia” de todo o género, para fãs e colecionadores, incluindo a colecção de vestuário com a marca oficial,  e tudo que se possa imaginar de souvenirs, teatro de fantoches, exemplares do foguetão com que o herói foi à Lua, miniaturas de belos exemplares de carros antigos:  o carro de corrida d’ Os Charutos do Faraó, clássicos Ford, Jaguar ou Land Rovers, limusinas, táxis, etc.. 

Peça de teatro na Índia –  O diretor Akarsh Khurana  levará aos palcos um espetáculo baseado nos álbuns As Sete Bolas de Cristal e O Templo do Sol, com 40 personagens em cena com muita ação, comédia e aventura. 

Leilão –Banque Dessinée –  em Bruxelas, um conjunto de 10 litografias de Hergé foi arrematado por 31.200 euros (mais de 75 mil reais).          – Uma edição de 1930 de tintin no País dos Sovietes , exemplar preto e branco, foi vendida por 28.800 euros, em Bruxelas por Arnaud de Partz.   

Curiosidades - Entre os planetas Marte e Jupiter, há o planeta Hergé, nome dado pela  pela Sociedade Belga de Astronomia, ma comemoraçao do seu 65. Aniversário.  Hergé, no album O Templo do Sol, passado no Peru, imortalizou as lhamas como  criaturas silenciosas e sérias, que cospem quando se aborrecem, a vítima, no caso, o capitão Hadoock.    – Nos anos 80 Roman Polanski quis filmar O Ceptro de Otokar, por gostar muito do ambiente balcânico da história, mas o projecto não deu certo.

BOLETIM TRILOGIA TINTIN 

 “Le Monde” - Spielberg se sente mais próximo de Milu, o célebre fox terrier, que do seu ainda mais célebre dono. Tudo humildade e espírito trabalhador: “Eu não tenho a tenacidade de Tintin. Como tenho uma família numerosa e um estúdio para gerir, não  consigo me concentrar numa só coisa”.Spielberg só conheceu Tintin em 1981, com  “Os Salteadores da Arca Perdida”. Entusiasmado com a descoberta, contactou Hergé para preparar um filme que, afinal, só se concretizará 30 anos depois.  Spielberg imaginava tintin como  “Indiana Jones para miúdos”. 

No início de 1983,  Spielberg manteve uma entrevista telefónica com Hergé e a sua mulher, Fanny. O encontro marcado para semanas depois em Bruxelas nunca chegou a acontecer, com a morte de Hergé a 3 de Março (75 anos). 

Com a tecnologia para concretizar o que idealizou enfim disponível, Spielberg voltou a comprar os direitos para a adaptação em 2002 – o filme recorrerá ao “motion capture”, a técnica utilizada em “Beowulf”, “O Expresso Polar” ou no recentemente estreado “Um Conto de Natal”. 

Peter Jackson e Spielberg

Peter Jackson e Spielberg

Associado a Peter Jackson, que co-produz e “dá” os efeitos especiais através da sua empresa, a Weta Digital, concretizou finalmente o seu projeto, e ja finalizou as filmagens das aventuras de Tintim, mas agora já sem referências a Indiana Jones. 

Dessa forma será possível “honrar a arte de Hergé, as suas tonalidades, as suas personagens”. O primeiro filme da trilogia,  adapta duas aventuras da BD: “O Segredo do Unicórnio” e “O Tesouro de Rackham o Vermelho”. Com Jamie Bell,  no papel de Tintin, o James Bond Daniel Craig a vestir a pele de Rackham o Vermelho, e Andy Serkis, o Gollum de “O Senhor dos Anéis”, a ganhar barba e talento no praguejar enquanto Capitão Haddock e  Simon Pegg e Nick Frost como Dupont e Dupond. 

Spielberg quer que os filmes, co-produzidos pela Paramount e pela Sony, sejam visualmente o mais possível semelhantes ao estilo gráfico de Hergé, dos personagens aos cenários. Seguem-se, em 2013, a segunda parte da aventura, O Segredo de Rackham, o Terrível, desta vez realizada por Peter Jackson, e talvez um terceiro filme, lá mais para diante, que poderá ser assinado a meias por Spielberg e Jackson 

Foi em 1984, pouco depois da morte de Hergé, um ano antes, que Spielberg comprou 

Peter Jackson e Spielberg com o chapéu do personagem

Peter Jackson e Spielberg com o chapéu do personagem

 os direitos para cinema dos álbuns de Tintim, com a ideia de entregar a realização do primeiro filme a François Truffaut (que morreria também, pouco meses depois) e dar os papéis de Tintim a Henry Thomas (!), o miúdo de E.T.-O Extraterrestre, e do capitão Haddock a Jack Nicholson. 

 A Moulinsart, que gere o património de Hergé, e a editora Casterman, que tem os direitos dos álbuns até 2011, esperam vender mais títulos nos EUA onde a BD franco- -belga nunca se impôs, e também seduzir uma nova geração de leitores. 

Ex-Concorrentes do Filme –   1)  James Bond a produção do 23º longa da Deaniel Craig - Rackmansérie 007 foi interrompida devido aos problemas financeiros da MGM, e a produção está parada, o que torna praticamente impossível a estréia do filme no final de 2011. Mas os fãs de Daniel Craig podem ficar tranqüilos, ele estará presente em ‘O Segredo do Licorne’, como o vilão Rackham, o Terrível.   2)Brave, animação dos estúdios Disney/Pixar – que também poderia ser uma pedra no caminho do repórter, foi adiada para 15 de junho de 2012. -Por enquanto Alvin e os Esquilos 3 (em 3D) e Marvin, O Marciano continuam na disputa…

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.